Música
Descrição de chapéu Coronavírus

Produtor sertanejo se isola sem avisar amigos e morre de Covid

Também locutor, Roney Costa trabalhou para artistas consagrados

Roney Costa
Roney Costa - Reprodução/Facebook
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Maurício Businari
Santos
UOL

O locutor e produtor musical Roney Costa, de 42 anos, conhecido por sua atuação no meio sertanejo, morreu na quarta-feira (2) em Leme, interior de São Paulo, por complicações decorrentes da Covid-19. Ele estava hospedado sozinho, na casa que pertenceu à avó, quando os sintomas da doença se agravaram.

Roney havia contado apenas a poucos familiares que achava ter contraído a doença. Porém, evitou compartilhar a informação com amigos.

Durante a carreira, ele trabalhou para artistas consagrados da música sertaneja e foi o responsável por impulsionar a carreira de Henrique Marx, o "Médico Cantor", artista radicado no litoral de São Paulo, que chegou a gravar parcerias com nomes como Edson e Hudson e Bruno e Marrone.

A irmã de Roney, Keila Costa, contou hoje à reportagem que o irmão deixou a residência da família, na capital paulista, no dia 28 de maio. Ele avisou à mãe que precisava ir ao interior para resolver alguns problemas pessoais, ligados ao trabalho e disse que ficaria hospedado alguns dias na casa da avó, que já morreu, no município de Leme.

"Quando ele partiu, ele já estava com alguns sintomas gripais. Garganta inflamada, nariz escorrendo. Mas ele pensava que fosse um resfriado, não passava pela cabeça dele que fosse Covid porque os sintomas eram muito leves", explicou.

A piora só começou a ser notada com o passar dos dias. No fim de semana, ele ligou para a mãe para dizer que desconfiava ter contraído a Covid-19.

Somente na semana seguinte os sintomas pioraram depressa. Na quarta-feira (2), ele passou a sentir muita falta de ar e foi ajudado por uma vizinha, que chamou o resgate do Corpo de Bombeiros. Ele foi encontrado ainda com vida e levado ao hospital, mas não resistiu às complicações da doença.

"Nosso coração está sangrando", disse a irmã. "Meu irmão fez diferença na música, ele era um profissional dedicado e ajudou muita gente a despontar para o estrelato. Mas estamos tentando ser fortes, vivendo um dia de cada vez. A dor é muito forte, ele era um menino muito bom, generoso, alegre. Difícil viver essa perda."

Keila conta que Roney optou por avisar somente a família, para não preocupar os amigos e os inúmeros fãs que ganhou durante a carreira.

Parceiro de longa data do produtor, o cantor Henrique Marx só ficou sabendo de sua morte por meio das redes sociais de Roney. "Nós nos falamos há cerca de 20 dias", disse. "Eu não tinha notado nenhuma alteração na voz dele e ele também não comentou nada."

O "Médico Cantor" afirmou à reportagem que não entende o porquê de Roney não ter informado aos amigos sobre o seu estado de saúde. Mas acredita que, provavelmente, ele não queria trazer preocupação, pois confiava que sua saúde iria melhorar.

"Sabíamos que ele estava trabalhando no interior como assessor de um vereador de Itaquaquecetuba", contou. "A pandemia pegou em cheio o meio artístico e ele tinha que trabalhar. Se ele tivesse nos falado, poderíamos ter ajudado. Sou médico, com certeza teríamos tomado algumas providências."

UM BRUTAMONTES COM O CORAÇÃO GIGANTE

O cantor Roger, da dupla Roger e Rogério, contou à reportagem que o último registro de Roney em vídeo ocorreu no ano passado, durante uma live da dupla no YouTube. O produtor foi um dos profissionais que mais ajudaram na carreira dos músicos e eles decidiram homenageá-lo durante a apresentação ao vivo.

"Nós o convidamos para uma aparição na live, onde ele brincou com o público em casa, recitou seus bordões conhecidos, como 'Roney Costa, o locutor que todo mundo gosta', contou um pouco sobre a sua história", lembrou. "Ele era grandão, um brutamontes mesmo. Mas o seu coração também era gigante."

Pelo fato de Roney ser muito brincalhão, Roger diz que, assim que recebeu a ligação de um amigo para contar sobre a morte do produtor, chegou a pensar que fosse uma brincadeira.

"A gente tinha se falado na semana passada", disse. "Ele não comentou nada. Como era de pregar peças, achei que podia ser mais uma brincadeira. Mas, no final das contas, não era. Quando soube da morte, busquei no WhatsApp alguns áudios que ele tinha enviado e foi aí que notei que a voz estava já um pouco anasalada."

Roney foi sepultado na sexta-feira (4) no Cemitério do Araçá, em São Paulo. Ele deixa os pais, irmãos, cunhados e sobrinha.

APELO AOS FÃS E AMIGOS

Segundo a família de Roney, ele se cuidava bastante por conta da pandemia. Usava máscaras, praticava o distanciamento social e andava com um frasco de álcool gel no bolso. Ainda muito abalada com a morte do irmão, Keila Costa fez hoje um apelo aos fãs e amigos do produtor.

"Essa doença é perigosa, ela não manda aviso. Por favor, sigam todas as medidas sanitárias preconizadas pela Ciência. Usem máscaras, mantenham o distanciamento social, higienizem as mãos e objetos. É impossível saber onde o vírus está presente. Por isso, se cuidem. Meu irmão era jovem e não tinha comorbidades. Essa é uma doença letal", concluiu.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem