Música

Eduardo Costa se arrepende de posições políticas e critica extremismo: 'Fui desequilibrado'

'Descobri que poderia ser uma pessoa muito melhor', diz cantor sertanejo

O cantor Eduardo Costa - Divulgação
São Paulo

Eduardo Costa, 40, afirma que reviu seus pensamentos políticos e não segue mais quaisquer ideologias. O cantor sertanejo, que já demonstrou apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), diz que se arrepende de algumas polêmicas nas quais se envolveu.

"Fui um desequilibrado naquele momento", afirma Costa em videoconferência com a imprensa, nesta quarta (19), à qual o F5 participou. "Tem muita coisa que a política da esquerda faz que é maravilhosa para o desenvolvimento do país, e tem muita coisa que a direita faz que também é maravilhosa para o desenvolvimento do país."

​"Em alguns momentos [eu] poderia ter sido mais contido. Mas estava vivendo um momento conturbado, uma pré-depressão –[sei que] isso não justifica", continua. "Eu me arrependo pelas pancadas que tomei, mas foi um aprendizado. Comecei a analisar o outro lado, e descobri que tem muita coisa deste outro lado que eu concordo. Aprendi que não devemos ser pessoas extremas."

O músico afirma ainda que a chave para uma vida "mais sossegada" é a tolerância e o equilíbrio. "Descobri através dessas pancadas que tomei que poderia ser uma pessoa muito melhor", diz. "Já não sou o cara que tem ideologia política. Estou vivendo o melhor momento da minha vida, porque me descobri."

Além da causa política, Costa já foi alvo de polêmicas por defender o porte de armas pelo "cidadão do bem", proferir falas que foram consideradas racistas, machistas e homofóbicas, e chegou a ser acusado por algumas ex-namoradas por diversas atitudes, desde o vazamento de fotos íntimas até o pagamento de pensão à filha de seu relacionamento com Lília Araújo.

​Em determinado momento da conversa, ele afirma que não se considera uma "pessoa polêmica", e sempre "foi um cara da paz". Diz, ainda, que muitas de suas falas foram distorcidas, e que hoje se sente mais aberto a escutar outras opiniões e até rever suas próprias convicções.

Atualmente, ele prefere trabalhar com pessoas que divergem de sua forma de pensar, ​especialmente mulheres, "porque normalmente elas pensam de forma diferente; elas sempre divergem".

Em julho deste ano, Eduardo Costa deixou a Talismã Music, produtora musical que gerenciava a carreira do cantor nos últimos 13 anos. A empresa tem como sócios o cantor Leonardo e Willian Passarinho. Na época, Leonardo publicou vídeo nas redes sociais para explicar que não houve briga entre os dois, que era amigo de Costa e que desejava mais sucesso ao cantor em seu próprio escritório.

"Estou aqui para falar com vocês que tem uns buchichos dizendo que a Talismã rompeu com Eduardo Costa', que 'brigaram Eduardo Costa com Leonardo. Queria dizer que para vocês que eu e Eduardo Costa nunca discutimos em nada a não ser sobre música, o que vamos cantar ou que vamos deixar de cantar, na nossa trajetória de 13 anos de parceria", disse Leonardo, ao lembrar que os dois fizeram mais de 300 shows juntos com o projeto "Cabaré".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem