Música

Empresário anuncia festival humanitário pró-Venezuela; Anitta estaria no lineup

O show acontecerá no dia 22 de fevereiro em Cúcuta

Richard Branson, fundador da Virgin Atlantic
Richard Branson, fundador da Virgin Atlantic - Jim Watson-7.fev.2019/AFP
Osmar Portilho
São Paulo

O empresário Richard Branson, fundador da Virgin Atlantic, está planejando realizar um festival na fronteira da Venezuela para pressionar o presidente Nicolas Maduro a aceitar que ajuda humanitária entre no país. 

"A Venezuela está sofrendo e já foi um dos países mais ricos da América do Sul. E agora está enfrentando a pior crise humanitária do hemisfério sul. Não há comida, o sistema de saúde está desmoronando e milhões estão sentindo esse impacto, muitos são crianças e idosos", diz o empresário no vídeo divulgado nas redes sociais. "Queremos chamar atenção global para levantar fundos essa inaceitável crise."

Ainda segundo o vídeo, o show acontecerá no dia 22 de fevereiro em Cúcuta, na Colômbia. Nas redes sociais, flyers mostram imagens dos artistas que estariam no suposto lineup, como J Balvin, Rudy Mancuso, Luis Fonsi e a brasileira Anitta.

Procurada pela reportagem, a assessoria da cantora não confirmou sua participação no show até a publicação deste texto.  A agenda de Anitta conta com uma performance no dia anterior ao festival em Miami, nos Estados Unidos.  A brasileira se apresentará na cerimônia do prêmio Lo Nuestro, realização do canal latino Univision. Ela concorre nas categorias de revelação, artista social do ano, artista feminina urbana e colaboração urbana.

"Temos que superar esse impasse ou muitos venezuelanos estarão próximos da morte. Nossa meta é levantar US$ 100 milhões em 60 dias e abrir a fronteira venezuelana para conseguir chegarmos naqueles que mais precisam", afirmou.

É justamente em Cúcuta, na fronteira entre Colômbia e Venezuela, que os Estados Unidos estão armazenando comida e remédios na esperança de fazer pressão para a Nicolas Maduro ceda e aceite ajuda estrangeira.

A fronteira entre os dois países tem uma ponte bloqueada e meio à disputa entre o governo de Nicolás Maduro e o opositor Juan Guaidó, que chegou a se autoproclamar presidente do país.

A intensa crise tem feito forçado milhares de venezuelanos a abandonarem o país. Segundo a AFP, em 2018, cerca de 22 mil cidadãos pediram proteção internacional para a União Europeia, o dobro do ano anterior. Antes de 2014, este número girava em torno de cem solicitações anuais.

UOL
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem