Humanos

Mulher cobra US$ 60 a hora para deitar de "conchinha" com estranhos

Já viu aquele pessoal que fica nos semáforos "doando" abraços?

O serviço foi profissionalizado.

A nova-iorquina Jacqueline Samuel, 29, abriu há um mês serviços de abraços e carinhos não-sexuais, "The Snuggery". O atendimento é feito em casa e ela cobra US$ 60 a hora.

Ela deita de conchinha com seus clientes, entre outras modalidades de carinho.

"Muita gente não gosta da ideia [de ser abraçado por estranhos], então imaginei que atenderíamos em pequena escala e ganharíamos um dinheiro extra", diz ela ao site "Oddity Central". Mas sua iniciativa tem feito barulho nos Estados Unidos. Redes como a FOX e a CNN já publicaram sobre ela, segundo o site.

Samuel começou dando abraços nas ruas --cobrava US$1 cada, faturando até US$ 80 por dia.

Agora que o serviço se especializou, ela precisa ter mais cuidados com a clientela. Já houve quem pedisse uma atenção, digamos, mais especial de Samuel, mas ela afirma que a maioria entende os limites.

"É normal o homem sentir excitação e isso não deve deixá-lo desconfortável", ela diz. Roupas ou pijamas são imprescindíveis e deve haver mais pessoas na casa para que o atendimento seja realizado.

Crédito: Reprodução/Thesnuggery.org Jacqueline Samuel quer tornar o mundo mais gentil vendendo carinho
Jacqueline Samuel quer tornar o mundo mais gentil vendendo carinho

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias