SPFW

Seu Jorge sobre negritude na moda: 'Que bom que as marcas aprenderam que somos bonitos'

Cantor esteve no desfile da Cavalera que mostrou moda de rua com influências de hip-hop

Seu Jorge
Seu Jorge - Folhapress
 
Leonardo Volpato
São Paulo

O cantor e ator Seu Jorge, 49, foi prestigiar o desfile da marca Cavalera na SPFW nesta quarta-feira (16) e se disse orgulhoso pela grife apostar esse ano na diversidade.

As roupas da marca exaltam a brasilidade encontrada nas periferias, a cultura de rua e tem como influencia o hip-hop, o skate, a Jamaica e o punk.

“Eles estão bem abertos para a diversidade e é bonito de ver”, opina o músico, que usava um casaco todo escuro e estiloso além de óculos. 

“Saber me vestir eu sempre soube, só não tem quem me dê roupa. Herança do meu pai, virou um hábito. Quem não gosta de se arrumar para sair?”, brinca.

Embora o Brasil seja um país muito racista, o cantor diz gostar dos rumos que a moda está tomando. “Moda está mais plural. A juventude está vindo com muita vontade de expressão e a moda é uma delas. A população negra tem mais alternativas de consumo. As influências musicais e artísticas têm contribuído bastante para a expressão desse jovem que grita por pertencimento.”

O artista opina que pela primeira vez o negro está sendo respeitado na moda. 

“Não sei se as indústrias da moda abraçam ou se apropriam da causa negra. Crescemos assistindo no cinema todos os heróis brancos. Um dia aparece um "Pantera Negra" e é a maior bilheteria da Marvel.  É porque tem demanda reprimida. Isso dá abertura para todas as coisas acontecerem e todos os movimentos de expressão”, opina.

“O negro também quer estar na moda. Que bom que as marcas aprenderam que negro é bonito e veste bem as roupas”, finaliza Seu Jorge, que aguarda pela estreia da série “Irmandade “, na qual atuará como um líder de facção. A estreia na Netflix é dia 25 de outubro.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas