Diversão

Musical 'A Cor Púrpura' chega a SP para curta temporada com história de racismo e machismo

'A história é universal: fala do ser humano, em especial das mulheres', diz diretor

Cena do musical "A Cor Púrpura"
Cena do musical "A Cor Púrpura" - Rafael Nogueira/Divulgação
São Paulo

O musical “A Cor Púrpura”, em cartaz em São Paulo em curta temporada, logo de início nos transporta ao sul dos Estados Unidos nos primórdios do século passado. A cantoria potente faz parecer que estamos no culto festivo de alguma igreja do estado americano da Georgia, onde a história se passa.

Tudo embalado por um gospel bem animado e cheio de louvor. A plateia participa batendo palmas, erguendo os braços e balançando as mãos.Mas  a história de Celie não é nada animada. Baseada no livro homônimo de Alice Walker —levou o prêmio Pulitzer de ficção em 1983—, a peça retrata o tratamento abusivo dado às mulheres negras no início do século passado. Muita coisa, infelizmente, parece igual atualmente.

Com elenco negro, a trama começa quando Celie, de apenas 14 anos, dá à luz o segundo filho. A criança, fruto de abuso sexual cometido pelo pai da adolescente, é retirada de seus braços —assim como aconteceu com a primeira filha dela—, e levada para adoção.

O pai obriga Celie a se casar com Mister, um homem bruto que ficou viúvo e precisa de uma esposa para cuidar da casa e de seus vários filhos. Celie, porém, não é a primeira escolha de Mister porque, segundo ele, ela é muito feia. O preço que a jovem paga por sua “feiúra” é apanhar todos os dias. Sexo? Ela nem sabe que existe prazer naquilo. “Ele só sobe em cima de mim e faz o que tem que fazer”, diz a personagem em dado momento. 

O apoio que ela precisa vem da irmã caçula Nettie, a primeira opção de Mister. Mas o pai das irmãs tenta abusar da mais nova também.  Ela não aceita e busca ajuda na casa nova de Celie; seu marido acolhe a cunhada. Mas quando Nettie se recusa a ter relações sexuais com Mister, é violentamente expulsa e afastada da irmã por anos.

A cantoria segue alegre e parece amenizar a situação sofrida por Celie. Mas, na verdade, é um canto doído que potencializa toda a crueldade cometida pelos mais fortes contra os mais fracos. A tensão da história é amenizada pelo casal Harpo, filho de Mister, e Sofia, mulher empoderada que não aceita apanhar do marido e cria situações hilárias por seu feminismo. 

A sorte de Celie começa a mudar com a chegada de Shug Avery, amante de seu marido. Quando pensamos que as duas vão se estapiar, elas se tornam grandes amigas. A chegada dessa nova personagem vai mudar a vida da mulher pobre, negra e “feia”, que sofreu abusos de vários tipos cometidos por muitas pessoas ao longo de décadas .

“A história é universal: fala do ser humano, em especial das mulheres. É imediata a identificação com o momento do país, onde há tantas histórias de opressão às mulheres. ‘A Cor Púrpura’ é um grande grito de liberdade”, afirma o diretor e idealizador, Tadeu Aguiar.

A história ganhou os cinemas em 1985, com direção de Steven Spielberg e grande elenco, com atores como Whoopi Goldberg (Celie), Danny Glover (Mister) e Oprah Winfrey (Sofia), essa última revelada neste longa.

Um dos melhores musicais do ano, o emocionante espetáculo de Marsha Norman tem músicas de Brenda Russell, Allee Willis e Stephen Bray. A versão brasileira ficou por conta do jornalista Artur Xexéo.

‘A Cor Púrpura - O Musical’

  • Quando Sex., às 20h30; sáb., às 18h e às 21h30; e dom., às 19h (em dezembro). Em janeiro e fevereiro os horários aos sábados serão às 17h e às 21h - Até 16 de fevereiro de 2020
  • Onde Theatro NET SP (rua Olimpíadas, 360, 5° andar, Vila Olímpia
  • Preço De R$ 75 a R$ 220 (aceita meia-entrada)
  • Classificação 12 anos
  • Tel. (11) 3448-5061)
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem