Diversão

Brasileiros fãs de novelas mexicanas colecionam DVDs e dão audiência às tramas de Silvio Santos

Fanáticos, eles dizem não perder um capítulo e sonham com ídolos

Lígia Ferreira, radialista, de 26 anos, é fã, viciada em novelas mexicanas e coleciona DVDs
Lígia Ferreira, radialista, de 26 anos, é fã, viciada em novelas mexicanas e coleciona DVDs - Ronny Santos/Folhapress
Leonardo Volpato
São Paulo

As reprises que Silvio Santos exibe há décadas com boa audiência no SBT não vão ao ar por acaso. Há, de fato, uma legião de fãs brasileiros apaixonados pelas novelas mexicanas. Tanto que, quando alguma trama é retirada do ar, as reclamações chegam por todos os lados, mas, principalmente, pelas redes sociais.

Há até fã-clubes com integrantes que revelam já ter feito de tudo para demonstrar seu amor pelas tramas. Tem gente que não perde um capítulo sequer, outros que colecionam DVDs de épocas e histórias diferentes e ainda os que viajaram para ver os ídolos de pertinho.

É o caso da radialista Lígia Ferreira, 26 anos. A moça é tão fanática pelos dramas mexicanos que preserva uma coleção de mais de cem DVDs, ou seja, todo o catálogo da rede de TV Televisa. “Minha coleção é o meu maior tesouro. E não, não venderia. Mesmo ainda não tendo conseguido assistir a todos, me custou muito esforço, principalmente físico. Eu rodei a Cidade do México inteira atrás deles”, lembra.

“Quando era bem pequena, me juntava às minhas primas e víamos as novelas que passavam no SBT. Na época, não me interessavam muito, mas eu fui crescendo, e elas foram me chamando a atenção. Foi ‘A Usurpadora’ e as tramas da Thalía que me levaram a esse mundo.”

 

A radialista já foi duas vezes para o México. A primeira foi para tentar acompanhar algumas gravações da novela “Antes Muerta que Lichita”, em 2015, protagonizada pela atriz Maite Perroni.

“Estudei rádio e televisão pelo amor que tenho pelas novelas. Foi incrível. Na segunda vez, pude conferir o prêmio TVyNovelas, algo como o Oscar dos folhetins mexicanos, em Acapulco.”

Outro viciado nas tramas é Diomax Martins, 25 anos, estudante. “Meu gosto pelas novelas mexicanas começou em 2005, quando chegaram as reprises de ‘Maria do Bairro’. No mesmo ano, veio o sucesso ‘Rebelde’, e, a partir daí, eu nunca deixei de segui-las.” Gabriel Christian, 19 anos, desempregado, diz que as novelas fazem parte da rotina. “Sonho em conhecer os meus ídolos.”

CLICHÊ E DRAMALHÃO

Novelas mexicanas são cheias de dramas, clichês e reviravoltas. E, justamente estes fatores, fazem com que o brasileiro as adore, segundo especialistas em TV.

“As tramas mexicanas não vão acabar tão cedo. Elas estão no DNA do SBT e no do seu telespectador”, diz Dirceu Lemos, especialista em televisão. “A novela mexicana tem pureza. Assisti à primeira versão de ‘Carrossel’, em 1990, e fiquei encantado. As histórias são simples e de fácil compreensão, além de dramáticas. Caem no gosto popular”, opina.

Para o diretor do Instituto Memória da Mídia, Elmo Francfort, o que chama a atenção é que todos os personagens têm reações intensas, ou seja, um vilão é muito vilão, enquanto a mocinha é a bondade em pessoa.

“Não há muita contradição e, com isso, é fácil a assimilação. Ou você torce muito por um personagem ou o odeia em profundidade. O melodrama é forte desde os tempos do rádio. O autor brasileiro já aposta mais no meio-termo”, conclui. 

 

SBT ESCOLHE A DEDO

Segundo o SBT, há uma equipe especial que escolhe cada novela que deverá entrar na programação. Atualmente, o canal exibe, às 17h, a mexicana “Que Pobres Tão Ricos”.

“Criamos o hábito, nas tardes de segunda a sexta, de exibir as novelas mexicanas para tentar agradar ao nosso público. Baseados nos números de audiência em todo o Brasil e na enorme demanda comercial que a faixa de novelas oferece, acreditamos que estamos nesse caminho”, diz Murilo Fraga, diretor de programação.

Ele revela que mais fatores são levados em consideração. “Usamos como referência as audiências no México e nos Estados Unidos, quando são inéditas. No caso das reprises, a avaliação é feita pesando gênero, elenco e performance da última exibição.”

​SUCESSO POR AQUI

A atriz mexicana Lucero é destaque no Brasil: já apareceu algumas vezes em tramas que foram reprisadas pelo SBT, como “Chispita” (1984), “A Dona” (2015) e “Amanhã É para Sempre” (2018).

No ano passado, foi contratada pela emissora e, falando português, viveu Tereza, a mãe de Dulce Maria (Lorena Queiróz) em “Carinha de Anjo”. Aparecia nos sonhos da menina. “Me sinto contente em ver que há uma enorme quantidade de fãs no Brasil. Fazer ‘Carinha’ foi um sonho. Amo o país e tenho uma conexão muito linda com esse povo.”

Sobre o gosto do brasileiro por tramas do país dela, a atriz tem um palpite. “As novelas do México têm muitos melodramas, são parecidas com as de vocês. Muito em breve, retornarei”, promete.


Relembre tramas mexicanas já exibidas no SBT

> “Os Ricos Também Choram” (1979) 
- Há 36 anos, em 1982, o SBT colocava no ar a sua primeira novela mexicana. Contava a história de Mariana (Verónica Castro), uma jovem que perdia o pai e era ajudada por um milionário da capital a mudar de postura 

> “Marimar” (1994) 
- A atriz e cantora Thalia era a protagonista. Marimar era uma jovem humilde que sonhava ter uma vida diferente. No meio do caminho, tinha um amor complicado

> “Maria do Bairro” (1995) 
- O sucesso também tinha Thalia no papel principal. Foi por conta da novela, que arrebanhou fãs brasileiros, que ela começou a ter boas relações com o país

> “A Usurpadora” (1998) 
- História das irmãs Paulina e Paola Bracho, vividas por Gabriela Spanic, que foram criadas em padrões de vida diferentes. É outra das mais lembradas. Já foi reprisada mais de cinco vezes, a última delas em 2016

> “Cúmplices de Um Resgate” (2002) 
- Mostrava as irmãs gêmeas Mariana Cantú e Silvana Del Valle, vividas pela atriz Belinda. Larissa Manoela fez a versão brasileira do folhetim, em 2015

> “Rubi” (2004) 
- A novela ganhou ao menos quatro reprises e sempre deu boa audiência. Nela, Rubi (Bárbara Mori) só pensava em ganhar dinheiro

> “Rebelde” (2004) 
- Voltada para o público jovem, exibia as aventuras de uma banda. A RBD deixou a ficção e saiu em turnê na vida real 

> “A Feia Mais Bela” (2006) 
- Lety (Angélica Vale) era uma secretária inteligente que sofria por ser considerada feia. No fim, há uma reviravolta

Agora
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias