Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Tony Goes

Reação nas redes ao namoro de Marco Pigossi mostra que o Brasil amadureceu

Ator teve apoio de anônimos e famosos, e poucos comentários negativos

Marco Pigossi assume namoro com cineasta italiano Marco Calvani
Marco Pigossi assume namoro com cineasta italiano Marco Calvani - Instagram/ mcalvani
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Na quinta-feira passada (25), Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos, Marco Pigossi postou em seu perfil no Instagram uma foto em que aparece caminhando de mãos dadas com seu namorado, o cineasta italiano Marco Calvani. Na legenda, o ator escreveu: "Feliz Dia de Ação de Graças. PS: choca zero pessoas".

De fato, não foi uma enorme surpresa. Há tempos que circulavam boatos sobre a sexualidade de Pigossi. Questionado em 2016, ele deu uma resposta evasiva, porém elegante: "prazer não tem gênero".

Muita coisa aconteceu desde então. Pigossi resolveu não renovar com a Globo e tentar uma carreira internacional, como fizeram antes Rodrigo Santoro e Wagner Moura. Já gravou três séries para a Netflix: a australiana "Tidelands", a brasileira "Cidade Invisível" e a terceira temporada da espanhola "Alto Mar", que estreia em breve.

Com a vida profissional de vento em popa e livre da obrigação de posar de galã, Pigossi se sentiu seguro o suficiente para apresentar seu namorado ao mundo. O que seria um escândalo inimaginável há apenas alguns anos foi, no Brasil de 2021, um instante de acolhimento e aceitação. Parece que nós também estamos amadurecendo.

Colegas de trabalho correram às redes sociais para demonstrar apoio ao casal: Astrid Fontenelle, Alexandre Nero, Maria Bopp, Zezé Polessa, Bianca e Lorena Comparato, Bárbara Paz, Débora Bloch, Taís Araújo, Tainá Müler, Bruno Mazzeo, Otaviano Costa, Alessandra Negrini, Fernanda Paes Leme, Fabíula Nascimento e muitos, muitos outros.

Isso já era esperado. O que surpreendeu foi a reação dos internautas anônimos. Em sua imensa maioria, eles despejaram mensagens de carinho nos dois Marcos. Foi uma onda tão grande que o próprio Pigossi respondeu com uma nova postagem, em que agradece aos fãs e afirma, com razão, "que o ódio vem do medo. Medo de diferente e do novo. Que não tenhamos mais medo de existir!".

Mas claro que não faltaram comentários negativos. Afinal, qualquer coisa compartilhada nas redes sociais serve de gatilho para os espíritos de porco. Se até bebês e gatinhos são atacados sem dó, imagine uma celebridade do tamanho de Marco Pigossi assumindo um relacionamento homossexual.

Aliás, uma mini-polêmica que também rolou nas redes girou em torno do rótulo de "gay" dado ao ator por alguns. Houve quem se ofendesse com isto, pois ele próprio não se definiu assim. E se Marco Pigossi for bissexual?

Houve um tempo em que o público confundia ator e personagem. Até a década de 1970, era comum que atores que interpretavam vilões em novelas fossem agredidos na rua. Mais tarde, quando o movimento pró-direitos igualitários ganhou força, surgiu uma outra discussão: será que o espectador aceitará um ator abertamente homossexual fazendo papel de hétero? Pior ainda, de protagonista romântico?

A esta altura já temos diversas estrelas que saíram do armário, de Marco Nanini a Nanda Costa. Ao contrário do que costuma acontecer em Hollywood, nenhum deles veio a público dizer que perdeu papéis por ter se assumido publicamente. O caso mais parecido com o de Pigossi foi o de Reynaldo Gianecchini, que admitiu se relacionar com homens e mulheres. O ator não renovou com a Globo (mas não foi por causa disso), e já está escalado para a segunda temporada de "Bom Dia, Verônica" na Netflix.

O mais interessante desse episódio todo é que, mesmo durante um governo retrógrado e abertamente homofóbico, mais e mais brasileiros estão aceitando numa boa as preferências sexuais alheias. Ou talvez seja a própria ignorância e grosseria do governo Bolsonaro que esteja finalmente provocando uma reação contrária. Chega de patrulhamento, viva a liberdade de ser o que se quiser.

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem