Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui para continuar.

Rosana Hermann

Artistas se posicionam em tudo que fazem, não só ao revelar o voto

Os sinais estão na forma que cada um tem de se vestir, de se comportar

Principais candidatos à Presidência: Lula, Jair Bolsonaro, Ciro Gomes e Simone Tebet - @Lula no Facebook, Pedro Ladeira e Zanone Fraissat/Folhapress, Cleia Viana/Camara dos Deputados
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A menos de dois meses das eleições, vivemos um momento tenso. Nas famílias, nas rodas de amigos, nas redes sociais, no ambiente de trabalho, o clima é tão pesado que dá para cortar o ar em fatias. Acontece na nossa vida, acontece no mundo artístico.

Atores, cantores, compositores, humoristas, diretores, criadores de conteúdo e demais profissionais têm se posicionado politicamente. Muitos dizem abertamente em quem vão votar e fazem campanha para seus candidatos de escolha. Outros não declaram voto, mas têm ideologias historicamente conhecidas, participam de movimentos, assinam e divulgam manifestos, conversam nas redes sociais.

Ao ler esse parágrafo, certamente você pensou em nomes que já se posicionaram de forma evidente nessa eleição, como Anitta, Emicida, Pablo Vittar, Fabio Porchat, assim como Sérgio Reis, Amado Batista, Zezé di Camargo, Gusttavo Lima.

Curiosamente, alguns artistas dizem que "não querem falar de política" nem assumir "nenhum lado", alegando que não tem que se posicionar politicamente para fazer sua arte. E nessa categoria, existem aqueles que não querem nem que seu público se manifeste, como Elba Ramalho. Isso é tão anti-democrático que já fala por si.

Mas será que é possível que um artista passe a vida inteira dando entrevistas, conversando com o público, postando nas redes sem expor suas opiniões? Sem que a gente saiba em que ele acredita, que valores ele tem? Será que as emissoras onde ela vai, os programas que frequenta, as letras das canções que canta, as peças que faz, os amigos que frequenta, não estão alinhados com suas convicções?

Eu acho difícil que alguém construa uma carreira inteira sem jamais dizer o que pensa sobre armamentos, direitos humanos, pena de morte, democracia, aborto, políticas públicas, vacinas, isolamento na pandemia. Porque tudo é política. A forma como nos vestimos pode ser uma afirmação política; como nos portamos, como falamos, com quem nos relacionamos. Usar ou não usar máscara durante a pandemia é uma posição política.

O que cada artista vai fazer na urna eletrônica, na hora de votar, é só da conta dele. Cada cidadão tem direito de votar em quem quiser e não é obrigado a revelar seu voto. Mas que fique bem claro, mesmo que não tenham consciência, os artistas estão o tempo todo se posicionando politicamente, sim. Podemos ler todos os sinais que indicam se ela é conservadora, progressista ou reacionária. O posicionamento político de cada um está aí, só não vê quem não quer.

Rosana Hermann

Rosana Hermann é escritora, roteirista e bloqueada pelo Boninho desde que cobriu o primeiro BBB há 20 anos.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem