Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

De faixa a coroa
Descrição de chapéu Miss Universo

Miss Universo: Teresa Santos se diz pronta para trazer faixa para o Brasil

Cearense afirma lidar bem com a cobrança antes da final de domingo

Miss Teresa Santos Renam Christofoletti

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Desde que foi eleita Miss Brasil, no início de novembro, à bordo de um navio de cruzeiro no litoral paulista, a cearense Teresa Santos, 23, não parou um minuto. Isso porque ela tinha cerca de um mês para fazer todos os preparativos antes de embarcar para Israel, onde está acontecendo o Miss Universo deste ano.

Documentação, guarda-roupa, aulas técnicas e de idiomas fizeram parte da rotina da modelo nesses dias corridos. Porém, mesmo com o curto prazo, ela acredita que está pronta para o desafio. "Me sinto mais do que preparada. É como se eu estivesse me preparando há anos para isso, mesmo sem saber que eu ia participar", conta ela em conversa com a coluna por telefone, direto do balneário israelense de Eliat.

"Eram muitos detalhes a serem vistos: voos, traje típico, vestido de gala, aula de oratória, inglês, espanhol, passarela… Foi muito cheio, mas me dediquei ao máximo e usei realmente todo o tempo que tive. Lógico que me senti cansada vez ou outra, mas quando a gente tem um sonho ele tem que ser maior do que a nossa fadiga", avalia Teresa, que é estudante do último ano de psicologia.

Com a final agendada para este domingo (12), esta será a primeira vez que o Miss Universo tem um país do Oriente Médio como sede. Segundo a assessoria de imprensa do Miss Brasil, por aqui, a transmissão ao vivo do espetáculo acontecerá pela DirectvGo, a partir das 21h.

É também um momento de celebração, pois é a 70ª edição da disputa, que realizou seu último evento em maio deste ano na Flórida (EUA), relativo a 2020. Na ocasião foi eleita a mexicana Andrea Meza, 27, que agora vai coroar sua sucessora e encerrar um dos reinados mais curtos da história da competição, com duração de cerca de sete meses. Vale lembrar que a gaúcha Julia Gama também teve destaque no evento, ao ficar em segundo lugar, como vice de Meza.

Teresa observa com tranquilidade a cobrança dos fãs para ela ter uma boa classificação na final, após o feito de Gama. "Eu não tenho medo de perder e decepcionar os fãs. Sei que dei o meu máximo e fiz tudo que eu podia junto à minha equipe, e sinto que as pessoas conseguem ver isso", diz.

A cearense acredita que seu ponto mais forte perante as outras 79 candidatas do certame não está na parte técnica, e sim no fato de ser brasileira. "Temos uma diversidade muito grande no Brasil, um forte sentimento de união e a gente faz amizade com todos. Com certeza minha personalidade altruísta e de acolhimento é o que me diferencia e mostra para o mundo o quanto somos genuínos e acolhedores com as pessoas", defende.

Resiliente, a miss venceu o nacional na insistência. Já que esta foi a segunda vez que ela disputou o Miss Brasil. Em 2018, também representando o Ceará, ela bateu na trave e ficou em terceiro lugar. Antes dela, a última vencedora pelo estado foi Melissa Gurgel, em 2014. Com o ritmo intenso que teve até aqui, ela diz que foi um pouco difícil cair a ficha de que ela havia vencido a competição.

Natural do município cearense de Maranguape, ela se diz apaixonada pelo seu estado e faz questão de mencionar que carrega consigo a força e o bom humor de sua terra. "O cearense é conhecido por ser um povo batalhador, que não desiste, trabalha, vai à luta e sempre está lá brilhando. E claro, trago comigo ainda o humor que o cearense tem. Nós somos a terra de vários humoristas do Brasil e com certeza é com sorriso no rosto e bom humor que estou aqui".

Se vencer o mundial, o sonho da jovem é empoderar mulheres e conscientizar a todos sobre saúde mental. Para Teresa, há vários fatores nos dias de hoje que contribuem para transtornos mentais e emocionais como ansiedade, depressão, fobias e outros. Um deles, diz ela, é o uso excessivo de redes sociais, principal canal que ela utiliza para se comunicar com o público —ela acumula mais de 180 mil seguidores no Instagram.

"Quero deixar para as mulheres a questão de ser real, saber o que quer, saber quem é e não ter medo disso. Meu desejo é incentivar o resgate da autoestima e autoaceitação, do jeito que a gente é. Acredito que eu deva ser a nova Miss Universo pois eu sou tão igual a quem me assiste", conclui.

De faixa a coroa

Fábio Luís de Paula é jornalista especializado na cobertura de concursos de beleza, sendo os principais deles o Miss Brasil, Miss Universo, Miss Mundo e Mister Brasil. Formado em jornalismo pelo Mackenzie, passou por Redações da Folha e do UOL, além de assessorias e comunicação corporativa.
Contato ou sugestões, acesse instagram.com/defaixaacoroa e facebook.com/defaixaacoroa

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem