Colo de Mãe
Descrição de chapéu Agora

Em dois meses, duas mães estão presas suspeitas de crimes contra os filhos

Precisamos olhar a fundo a maternidade

Fotolia
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Agora

Ketelen Vitória, 6 anos, e Henry Borel, 4, teriam pouco em comum fora o fato de serem duas pequenas crianças, moradoras do estado do Rio de Janeiro. Negra, Ketelen vivia de forma precária em um pequena cidade, sem acesso decente à educação, cultura, moradia e proteção. Branco, Henry tinha os cuidados de uma babá, em uma casa confortável.

Mas as circunstâncias trágicas de suas mortes colocam Ketelen e Henry lado a lado em uma situação das mais difíceis que vemos no país em um intervalo de poucas semanas: suas mães, que deveriam zelar e protegê-las, estão presas e podem ter envolvimento nas mortes. Só a Justiça dirá se são realmente culpadas.

Em um primeiro momento, o que nos vem à mente é a sensação de que uma mãe jamais faria ou permitiria qualquer tipo de crueldade contra seus filhos. Mas não é isso que estamos vendo.

O que temos em nossa frente são duas mães que, em situações muito similares, com parceiro e parceira abusivos, ficaram imóveis ou até corroboraram (não se sabe ainda ao certo como tudo ocorria) com a violência dentro de suas casas contra seus pequenos.

As condições em que a menina Ketelen vivia são de chorar. Um pouco antes de ser levada ao hospital, a criança havia sido espancada e estava deitada em um colchão, num quarto sem as mínimas condições de higiene, conforme relatou a mãe de sua madrasta à polícia.

Embora se investigue a tortura, mãe e madrasta (a mãe era casada com uma mulher) estão presas após confessarem ter agredido a menina. Katelen foi levada ao hospital na segunda-feira (19) e, no sábado (24), sem aguentar as sequelas das agressões, morreu.

Henry tinha uma vida diferente. Um quarto bonito em um apartamento lindamente decorado e equipado. Tinha ido visitar o pai um pouco antes de morrer. As últimas imagens que temos são do menino no colo de sua mãe, dentro do elevador, na madrugada de 8 de março, já morto. Parecia estar dormindo, mas a perícia atestou que a morte foi antes.

A dura forma como esses dois seres inocentes nos deixaram nos faz refletir sobre o real papel da maternidade, nos faz querer passar a limpo o que é ser mãe.

Haveria ali, nos dois casos, situações internas de baixa autoestima? De necessidade de se ter um parceiro ou uma parceira para se sentir feliz, amado e fazer parte do mundo? O filho era um peso?

Na maioria dos casos, isso ocorre por medo de ficar sozinha, por apego a questões financeiras ou até mesmo necessidades econômicas. Há, ainda, um sem número de mulheres que acreditam que os filhos precisam de “correção” e acabam deixando um terceiro “educar” para que, no futuro, ela seja mãe de um “cidadão de bem”.

Esse é um dos fatos que conheço e acompanho em histórias de mães que estão perdidas. E por que nos perdemos, eu pergunto? Nos perdemos porque a maternidade ainda é algo “compulsório” na vida de muitas mulheres.

Porque ser mãe nos eleva a um status social que as não mães não têm, porque é difícil estar sozinha, há depressões não curadas e a violência contra crianças como forma de educar ainda é vista como algo natural.

Para proteger crianças, precisamos olhar a fundo a condição de cada mãe.

Colo de Mãe

Cristiane Gercina, 41, é mãe de Luiza, 13, e Laura, 8. É apaixonada pelas filhas e por literatura. Graduada e pós-graduada pela Unesp, é coordenadora-assistente de Grana do jornal Agora, empresa do Grupo Folha. Quer ver o desenho do seu filho publicado na coluna? Envie-o para o e-mail colodemae@grupofolha.com.br com nome completo e idade da criança, nome e celular do responsável.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem