Bom de Garfo

DuJuZé, em Perdizes, tem jeito de botequim carioca e oferece excelente porção de lula à dorê

Outra iguaria famosa da casa são as bruschettas

Bruschettas caprese: um clássico da casa

Bruschettas caprese: um clássico da casa Otavio Valle/Folhapress

Enquanto Barra Funda e Santa Cecília, na zona oeste de São Paulo, vivem um burburinho de revitalização, com uma explosão de novidades e casas da moda, a vizinha Perdizes se consolida como uma região de boas pizzarias, hamburguerias e cervejarias.

Prestigiadas nos rankings e guias de bares e restaurantes da cidade, essas casas atraem gente de todo o país. Coube aos bares clássicos da região a missão de se tornarem um refúgio seguro para os moradores de Perdizes.

Esse é o caso do DuJuZé, um pequeno e charmoso bar encravado na esquina das ruas Itapicuru e Minerva. Ao melhor estilo "botequim carioca", com aquele típico piso quadriculado em preto e branco, o local tem uma atmosfera retrô, que atrai, todas as noites, um público basicamente formado pelos residentes das redondezas.

Sob seus janelões, um tradicional mobiliário de madeira deixa a casa bem aconchegante e convidativa. "Um dos nossos ideais é que o cliente venha para cá porque quer estar aqui. Que ele se sinta em casa", afirma Guilherme Goulart, um dos proprietários do botequim.

Apesar da proximidade com a PUC, o bar raramente é frequentado por estudantes. O público da casa é daqueles que batem cartão, assim como Guilherme e seu sócio Rober Atilano, que antes de comprarem o botequim eram autênticos clientes de carteirinha.

Coincidência ou não, o proprietário anterior à dupla também era um cliente fiel. O empresário Daniel Burin já frequentava o local havia anos quando comprou o bar das mãos de Du, Ju e Zé, o trio que batizou o nome do estabelecimento.

O cardápio também abraça o cliente: são petiscos e bolinhos clássicos de botequim. Uma das porções que atrai o estômago de muita gente é a lula à dorê (R$ 69). Temperada apenas com sal, alho e pimenta, a lula é saborosa e bem crocante. Uma pedida perfeita para acompanhar o chopp geladíssimo servido na casa (R$ 9,90 a tulipa de 310 ml).

O segredo da porção está no marisco, que Guilherme Goulart vai buscar todas as semanas em Santos. No litoral paulista, Goulart consegue uma lula fresquinha, bem diferente daquelas importadas e congeladas, comuns nos bares e restaurantes da cidade, que são borrachudas e insossas.

Outra iguaria famosa no DuJuZé são as bruschettas. Da cozinha saem três versões: brie, italiana e caprese. Um tira-gosto ideal para se sentar à mesa por horas a fio, sem se empanturrar. As caipirinhas e os drinques também fazem sucesso. Mas o melhor de tudo é o clima da casa, que faz com que você se sinta em casa.

Bar DuJuZé 

  • Quando De seg. a sex., das 17h à 1h; e sáb., das 13h à 1h.
  • Onde Rua Itapicuru, 887, Perdizes
  • Tel. (11) 2738-0887

Bom de Garfo

Otavio Valle, 46, é formado pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) e pós-graduado em fotografia pelo Senac, mas a vida de jornalista o fez especialista em "botecologia", pela universidade "Bares da Vida".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem