Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

'Señorita 89' mostra beleza e assédio nos bastidores dos concursos de miss

Sem data de estreia, série mexicana foi escrita por quatro mulheres

Parte do elenco da série Señorita 89

Parte do elenco da série Señorita 89 Amaury Barrer/ Starzplay Amaury

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

“Señorita 89”, série original da Pantaya e do Starzplay, vai colocar em prova o glamour dos concursos de beleza no México, na década de 1980, mostrando os bastidores e os dramas das misses na busca pelo título. Ainda sem data de estreia, ela começou a ser gravada em abril em locações na Cidade do México, Oaxaca, Acapulco e Juárez.

Escrita por quatro mulheres, a série dramática de oito capítulos segue os passos de quatro das 32 misses que chegam à paradisíaca La Encantada para se preparar para o Miss México, em 1989. Neste local, repleto de segredos, as quatro terão que brigar pela coroa e para saírem vivas da competição.

As candidatas terão contato com Concepción (Ilse Salas), matriarca do concurso responsável por realizar ou destruir os sonhos das jovens que buscam vencer o concurso de beleza mais importante do país. Neste contexto, serão abordados temas como padrões de beleza e assédio sexual, normalizados na época.

“Quero dizer que a minha geração, sim, crescemos com todos esses condicionamentos sociais, com todas as coisas que vão ter [na série]. Agora estamos questionando e é muito forte, confrontativo abordar temas que normalizamos por décadas”, diz Salas.

Lucía Puenzo, uma das roteiristas da série, afirma que o mundo era outro e o que hoje escandaliza a todos estava permitido na época. "É importante olhar para trás. Havia muitas mulheres em batalhas silenciosas e é isso que esta série conta", afirma.

“É incrível olhar para trás hoje e ver onde estávamos há apenas 30 anos. Nossa equipe realmente montou uma série emocionante e estamos muito animados para dar vida a esse período”, completa a produtora executiva Ángela Poblete.

A série foi escrita pela mexicana Maria Renée Prudencio e as argentinas Lucía Puenzo e Tatiana Mereñuk. A direção é dividida entre Nico Puenzo, Silvia Queer e Jimena Montemayor.

“Queríamos fugir dos estereótipos e construir personagens com mais nuances e complexidades. Não queríamos vitimar as jovens, mesmo que tivessem estado em um mundo atroz, mas olhar para elas com a complexidade que tinham”, afirma Lucía.

O elenco é composto por famosos atores do cinema e da televisão mexicanas, como Juan Manuel Bernal ("Monarca", 2019), Edwarda Gurrola ("O Evangelho das Maravilhas", 1998), além de futuras promessas do país, como Ximena Romo ("Isto não é Berlim", 2019) e Leidi Gutierrez ("Chicuarotes" 2019).

"Señorita 89" é uma produção das plataformas de streaming Starzplay e Pantaya com as produtoras Fabula (chilena) e a Fremantle (britânica). Sem data de estreia, a série vai ao ar pela plataforma Pantaya nos Estados Unidos e Porto Rico, e pela Starzplay na Espanha e América Latina, incluindo o Brasil.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem