Cinema e Séries

Diferente de seu personagem, Noah Centineo é 'pateta, existencialista e mais inteligente'

Junto a Lana Condor, ator reflete sobre ser influência para jovens e como filme da Netflix mudou sua vida

O ator Noah Centineo
O ator Noah Centineo - Daniel Dorsa/NYT
São Paulo

Quem vê Noah Centineo como o galã Peter Kavinsky, de "Para Todos os Garotos que Já Amei" (Netflix), nem imagina que o ator de 23 anos seja, na verdade, menos garanhão e mais intelectual.

“As pessoas olham para mim e veem o Peter Kavinsky; veem esse namorado perfeito. E talvez seja, sabe. Mas eu sou bem pateta, muito apreensivo sobre o mundo e existencialista”, diz Centineo, em entrevista durante sua passagem pelo Brasil. Na ocasião, o ator vestia touca –que às vezes usava para "esconder" a timidez–, estava descalço e ponderava as palavras. 

Lana Condor, que interpreta Lara Jean, o par de Kavinsky no romance, confirma que a personalidade do amigo pende mais para o lado intelectual, em comparação ao seu personagem. "Essa é a principal diferença entre ele e o Peter: Noah, na vida real, é muito inteligente", diz a atriz.

"Eu diria que ele é um bom ouvinte, é um bom ator... Admiro muito a sua mente e seu coração. E não imaginaria ninguém mais atuando comigo [...] pela forma de pensarmos do mesmo jeito e nos comunicarmos da mesma forma”.

Nos relacionamentos, Centineo afirma que é super romântico e procura venerar sua parceira. Atualmente ele namora a modelo Alexis Ren, e diz que se preocupa em cultuá-la, ser grato por ela, se doar, cuidar dela e respeitá-la –ele não entra em relacionamentos se não fora para "abrir seu coração completamente.” 

“Eu sou bastante simples [nos encontros]. Apenas me surpreenda em casa, saia comigo… Minha linguagem do amor é ‘tempo de qualidade’, fazer carinho, abraçar e passar o tempo olhando para os olhos um do outro, apenas discutindo a vida… São essas coisas que me mostram que alguém realmente se importa comigo”, afirma. 

O NOVO ZAC EFRON?

Questionado sobre as comparações feitas com o ator Zac Efron, que fez sucesso nos anos 2000 como Troy Bolton em “High School Musical”, Noah Centineo diz que não se sente como o "garoto desejo" do momento para as jovens, mas não nega que esse título lhe caiba –e, na verdade, é muito grato por essa posição, que o permite “ajudar pessoas de um jeito bom”.

“Eu não me vejo dessa forma. Eu com certeza aceito que eu me pareço, e na verdade eu já pensei nisso, porque já ouvi isso. Sabe, demorou um pouco de tempo para o Zac Efron sair dessa caixa, de que ele é um ator da Disney. E eu sei que isso ['Para Todos os Garotos que Amei'] não é a Disney, mas é uma comédia romântica para jovens adultos, então é uma posição muito similar, se não idêntica”, conta. 

O ator não esconde que sua carreira mudou drasticamente desde o primeiro filme romântico que fez, mas afirma que hoje sente saudades de fazer audições. 

Condor concorda: “Desde que o primeiro filme foi lançado, nós passamos por uma exposição bem estranha, que ninguém nos preparou para isso. E como eles poderiam? Você não tem como se preparar para isso”, diz a atriz. “Nossas vidas mudaram definitivamente. Isso pode ser bem isolador, e difícil de colocar para fora. Mas ter alguém passando pela mesma coisa com você faz você não se sentir sozinho."

Frente à fama, Centineo afirma que se sentiu pressionado a cuidar da saúde mental para permanecer são, e tenta não dar ouvidos às opiniões mais adversas. Com muita meditação e ajuda dos familiares e amigos –principalmente da irmã, com quem ele mora–, o ator tem procurado se manter dentro de seus limites e ser mais responsável por suas decisões. Às vezes, eu me sinto completamente sufocado", lamenta.

O ator conta que começou a perceber seu novo status antes de completar 21 anos, e que hoje o usa para melhorar a vida de outras pessoas e inspirá-las de alguma forma. Lembrando uma fala do falecido jogador de basquete Kobe Bryant (1978–2020), ele afirma que valoriza o “trabalho duro” e a perseverança, que para ele são a chave do sucesso.

"É um dos meus princípios na vida: se você trabalhar duro o suficiente, e perseverar além dos fracassos, terá sucesso”, conta. “Às vezes, o que o mantém confortável não te mantém seguro. Pule fora."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem