Cinema e Séries

Michael B. Jordan e Jamie Foxx atacam condenações injustas e racismo em novo filme 'Luta por Justiça'

Longa estreou sexta-feira (6) no Festival Internacional de Cinema de Toronto

Jamie Foxx e Michael B. Jordan no Toronto International Film Festival
Jamie Foxx e Michael B. Jordan no Toronto International Film Festival - Robin Marchant/Getty Images/AFP
Nichola Saminather
Toronto

Os atores Michael B. Jordan, 32, e Jamie Foxx, 51, vencedor do Oscar, atacam condenações injustas e racismo no novo filme “Luta por Justiça”, que estreou sexta-feira (6) no Festival Internacional de Cinema de Toronto.

Jordan interpreta o ativista e advogado norte-americano de direitos civis Bryan Stevenson no filme baseado no livro “Compaixão: Uma História de Justiça e Redenção”, publicado por Stevenson em 2014.

O filme conta a história real da luta de Stevenson para libertar Walter McMillian (Foxx) do corredor da morte após ele ter sido acusado injustamente.

“Como um homem negro, nossas comunidades foram atacadas e ser capaz de fazer minha parte e usar minha plataforma para divulgar esta história é muito importante para mim”, disse Jordan à Reuters no tapete vermelho em Toronto.

O filme mostra o esforço de Stevenson para percorrer o pântano político e legal que colocou McMillian, condenado pelo assassinato de uma balconista branca, no corredor da morte por seis anos no Alabama, e para combater o viés racial que manteve ele, e outros como ele, naquela situação. Ele foi eventualmente libertado quando sua condenação foi revertida por um tribunal do Alabama em 1993. 

“Bryan Stevenson, assim que o conheci, realmente se tornou o coração e a alma de toda a produção”, disse na sexta-feira o diretor Destin Daniel Cretton, que também co-escreveu o roteiro. “Ele é um dos seres humanos mais incríveis que já conheci.” 

A atriz Brie Larson, ganhadora do Oscar de Melhor Atriz por “O Quarto de Jack”, interpreta Eva Ansley, diretora de operações da Equal Justice Initiative, de Stevenson.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem