Cinema e Séries

Penn Badgley se recusou a fazer protagonista de 'You' menos assustador: 'Ele é ser repugnante'

'Se pegarmos menos pesado, vamos mandar a mensagem errada'

Beck (Elizabeth Lail) e Joe (Penn Badgley) em cena da série You
Beck (Elizabeth Lail) e Joe (Penn Badgley) em cena da série You - Divulgação

São Paulo

O ator Penn Badgley, 32, protagonista da série "You", disponível na Netflix, afirma que sente a responsabilidade de interpretar Joe, um rapaz que transforma a paixão por uma garota em pura obsessão. O ator torce para que os jovens não acabem criando afeto com o personagem.

A série é inspirada no livro "What Would You Do for Love", da escritora americana Caroline Kepnes, em que Joe é o gerente de uma livraria de Nova York que se apaixona por Beck, estudante de literatura e que deseja ser escritora. Os dois se envolvem amorosamente, mas, para não perdê-la, ele começa a agir como um psicopata e remove tudo o que pode atrapalhar o relacionamento deles.

"Minha maior preocupação, para ser honesto, com todo esse projeto é que, para tornar Joe mais palatável, o que no final das contas é uma tarefa mais fácil, arriscamos a diluir a coisa que ele precisa ser, que é uma espécie de ser humano repugnante", afirma o ator.

A série, que já tem confirmada uma segunda temporada, preocupou Badgley pelo risco de seu personagem acabar não sendo visto totalmente como uma pessoa ruim, já que a história traz muitas desculpas sobre a forma que ele age. Mesmo com os pedidos da produção de tentar ser menos assustador, o ator fez questão de parecer bizarro em algumas cenas. 

"Há alguns momentos ... como quando eu estava me masturbando no primeiro episódio. Não lembro o que acabou sendo, mas eu realmente queria manter meus olhos abertos para ser algo bem chocante e arrepiante. Na hora, lembrei do pedido de ser menos assustador, mas pensei: 'Qual o caminho que estamos tomando?' Se pegarmos menos pesado, não vamos acabar enviando mensagens contraditórias ao nosso espectador, especialmente aos mais jovens?", defendeu o ator.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem