Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades
Descrição de chapéu Guerra da Ucrânia Rússia

Ben Stiller visita a Ucrânia e chama Zelenski de 'herói'

Ator americano é embaixador da boa vontade nas Nações Unidas

Ator Ben Stiller se encontra com presidente da Ucrânia Volodimir Zelenski
Ator Ben Stiller se encontra com presidente da Ucrânia Volodimir Zelenski - Reuters
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O ator e diretor americano Ben Stiller, 56, se encontrou nesta segunda-feira (20) com o presidente da Ucrânia Volodimir Zelenski, 44, em Kiev. Ele chamou o comediante que se tornou presidente de ‘meu herói’ durante visita ao país para chamar a atenção ao Dia Mundial do Refugiado.

Embaixador da boa vontade nas Nações Unidas, Stiller disse ao presidente ucraniano que é inspiradora a maneira como ele reuniu o país e o mundo para angariar apoio para a sua luta. "Você é meu herói. Você abriu mão de uma grande carreira de ator por isso", disse o ator.

A filmagem da reunião foi divulgada pelo escritório de Zelenski. O ator também visitou o subúrbio de Irpin, palco de batalhas no início da invasão e o mais próximo que o exército de Moscou chegou da capital desde que enviou tropas para a Ucrânia, em fevereiro.

"Sinto que é difícil entender o que realmente está acontecendo aqui se você não esteve aqui. Eu estava em Irpin esta manhã e o nível real de destruição, você vê na TV, você vê nas mídias sociais, mas é outra coisa realmente ver, sentir e depois conversar com as pessoas", disse o ator a Zelenski.

Zelenski agradeceu a Stiller por ter visitado o país e disse que era muito importante para ele continuar lembrando às pessoas o que estava acontecendo na Ucrânia. "É muito importante para nós que as pessoas não se esqueçam. Não é interessante falar sobre a guerra todos os dias, mas para nós é muito importante", disse o presidente.

As Nações Unidas classificaram a guerra na Ucrânia como um dos maiores deslocamentos forçados de civis desde a Segunda Guerra Mundial. Estima-se que 13 milhões de ucranianos foram forçados a deixar suas casas desde que a Rússia invadiu o país no final de fevereiro.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem