Celebridades

Presidente eleito chileno viraliza com mensagem de apoio a Taylor Swift

Gabriel Boric se posicionou em discussão virtual da cantora com Damon Albarn

Taylor Swift durante apresentação em Nova York - Angela Weiss-13.dez.2019/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Natalia A. Ramos Miranda
Santiago
Reuters

O presidente eleito do Chile, Gabriel Boric, 35, tomou partido em seu primeiro incidente internacional: ficou ao lado da estrela do pop Taylor Swift, 32, em uma disputa nas redes sociais contra o vocalista da banda Blur, Damon Albarn, 53, por conta de seus status como compositores.

Albarn, o britânico co-fundador e compositor da banda Gorillaz, sugeriu em uma entrevista que Swift não compôs todas as suas canções. Isso levou a uma reação enfurecida da cantora norte-americana. Albarn pediu desculpas depois.

Boric deu seu apoio a Swift em um tuíte que viralizou rapidamente em seu país, em um reflexo de como o ex-líder estudantil está estremecendo a política no Chile, tradicionalmente o país mais austero da América do Sul.

"Aqui no Chile você tem um grande grupo de apoiadores que sabem que você escreve suas próprias canções com o coração", disse Boric, que se tornará o presidente mais jovem do Chile e se autodeclara fã de Swift, a seus 1,4 milhão de seguidores no Twitter. A publicação teve quase 85 mil curtidas até a noite de terça-feira (25). "Abraços do sul, Taylor."

Swift já havia reagido ao comentário de Albarn no Twitter. "Eu era uma grande fã até ver isso. Eu escrevo TODAS as minhas próprias canções. Seu comentário é completamente falso e tão prejudicial", disse a cantora.

Albarn fez seu próprio mea culpa. "Eu concordo totalmente com você. Eu participei de uma conversa sobre composições e tristemente isso foi reduzido à caça por cliques. Eu peço desculpas sem reservas e incondicionalmente. A última coisa que gostaria de fazer é desacreditar suas composições", disse.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem