Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades
Descrição de chapéu Folhajus

Ex-bailarina do Faustão denuncia racismo em loja: 'Isso dói muito'

Carol Tozaki usou as redes para falar sobre a situação de preconceito

Carol Tozaki, a ex-bailarina do Faustão
Carol Tozaki, a ex-bailarina do Faustão - Divulgação | CO Assessoria
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A modelo e ex-bailarina do Faustão Carol Tozaki denunciou ter sofrido racismo na loja Animale do Shopping Iguatemi, em São Paulo. Ela, que mora em Londres, estava de passagem pela capital paulista quando passou pela situação de preconceito.

Chorando, Carol usou o stories do Instagram para contar que estava muito triste por não ter sido bem atendida pelas vendedoras. "Não importa se você tem dinheiro, se tem condição. Vim aqui no Shopping Iguatemi e fiquei muito triste, me senti coagida, na verdade", disse.

Ela falou ainda que não adianta estar bem vestida e usando relógio e bolsa caros porque as pessoas não vão atender direito devido a cor da pele. "E vai ter um monte de gente que vai falar que é mimimi. Mas não é."

Carol falou que foi ao Shopping Iguatemi porque precisava comprar uma jaqueta de couro e tinha certeza que iria conseguir encontrar em alguma das lojas. Segundo ela, esse é um dos motivos pelos quais não tem vontade de morar no Brasil, porque as pessoas são muito racistas e preconceituosas.

"Isso dói muito. Me sinto mais em casa em outros países do que no Brasil, é tudo muito preconceituoso. Já quero voltar para Londres, não quero mais ficar aqui."

Em nota, a Animale pediu desculpas a Carol Tozaki pela forma como ela se sentiu em uma de suas lojas. "A marca tem como compromisso construir uma cultura antirracista."

A marca garantiu que "o relato cliente fará parte da sua contínua revisão das ações de diversidade e inclusão que são implementadas tanto no time dessa loja, quanto em todo o time espalhado pelo país."

"Reafirmamos que a construção de uma sociedade verdadeiramente inclusiva e igualitária é e sempre será uma responsabilidade diária da empresa."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem