Celebridades
Descrição de chapéu câncer

Kathy Griffin revela câncer no pulmão e diz que passará por cirurgia

Comediante afirma que os médicos estão otimistas com o resultado

Kathy Griffin durante evento em Los Angeles - Tommaso Boddi-8.out.2016/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Los Angeles e Nova York

A comediante norte-americana Kathy Griffin, 60, comunicou nesta segunda-feira (2) que recebeu diagnóstico de câncer de pulmão, embora nunca tenha fumado. Em publicações nas redes sociais, ela disse que passará por uma cirurgia para remover parte de um pulmão e que os médicos estão otimistas com o resultado.

"Tenho câncer. Estou prestes a passar por uma cirurgia para a remoção de metade do meu pulmão esquerdo. Sim, tenho câncer pulmonar, embora nunca tenha fumado!", escreveu. "Os médicos estão muito otimistas, já que é de estágio um e limitado ao pulmão esquerdo", acrescentou.

Griffin, vencedora de dois prêmios Emmy, é mais conhecida no Brasil pelo papel de Vicki Groener na série "Suddenly Susan" (1996-2000). Recentemente, ela foi vista em participação na série "Você", que fez sucesso na Netflix.

Pioneira no gênero stand-up feminino, seu álbum de estreia, "For Your Consideration", lançado em 2008, foi o primeiro de uma mulher a chegar ao topo das paradas de comédia da Billboard. Desde então, lançou outros cinco álbuns e apareceu em vários filmes e programas de televisão ao longo de sua carreira.

Ela está sob os holofotes desde 2017, quando perdeu trabalhos e patrocínios depois de posar com uma cabeça decapitada de mentira do então presidente norte-americano Donald Trump para fazer piada. O Serviço Secreto iniciou uma investigação sobre o incidente, mas não se abriu nenhum processo contra a artista.

Embora ela tenha se retratado e se desculpado rapidamente, o gesto custou-lhe um emprego na CNN e gerou indignação de conservadores e liberais.

Griffin vem falando publicamente sobre o assédio a que foi submetida e, em uma entrevista publicada nesta segunda-feira no ABC News, contou como isso a ajudou a se tornar viciada em analgésicos e até mesmo a tentar o suicídio.

"Nunca deixa de parecer irônico para mim que, há pouco mais de um ano, tudo que eu queria era morrer. E agora, tudo que eu quero é viver", disse.

Com REUTERS e AFP

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem