Celebridades

Após polêmica, Samantha Schmütz diz que conversou com Juliana Paes

Atriz se desculpa com Deborah Secco e diz chorar todo dia por Paulo Gustavo

Samantha Schmütz - Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Após a polêmica que envolveu as duas, Samantha Schmütz, 42, revelou ter conversado com Juliana Paes, 42. Esta última publicou um vídeo nas redes sociais afirmando discordar de "uma colega" que a acusava de ser "covarde, desonesta e criminosa".

"Ao me deparar com algumas reportagens afirmando que a mensagem da Juliana Paes seria para mim, duvidei", contou Schmütz em entrevista ao jornal O Globo. "Não acredito que seja, porque nunca a chamei de covarde, nem de desonesta nem de criminosa. Sempre falei que desonesta, covarde e criminosa é a política pública do Brasil de combate à Covid-19."

"Acho que esse assunto já foi muito além do que deveria e acaba por desvirtuar o foco do meu questionamento para com a classe, que é no sentido de se posicionar e chamar à responsabilidade em relação à pandemia", comentou. "Não se trata de uma briga entre colegas."

Sem especificar quando, Schmütz contou que as duas se falaram longe dos olhos do público. "Tive uma conversa, sim, com a Juliana no privado", afirmou. "O que sei é que não costumo transformar conversas particulares em assuntos públicos. Ainda não tivemos a oportunidade de falar depois de tudo o que rolou. Mas reforço que estou sempre aberta ao diálogo."

A atriz também se desculpou com Deborah Secco, 41, a quem criticou publicamente por continuar publicando "dancinhas" em meio à situação que o Brasil vive. "Estava muito chateada quando falei aquilo sobre a Deborah", disse. "A morte do Paulo [Gustavo] estava muito recente. Eu errei, não foi legal. Não deveria ter feito. O dia que nos encontrarmos, quero falar sobre esse assunto com ela. Não desejo que isso vire uma grande coisa."

A morte do amigo por Covid-19, aliás, ainda é uma ferida aberta. "Choro todos os dias desde que meu amigo partiu", afirma. "É difícil. Todo lugar em que vou eu me lembro dele. São muitas recordações."

Schmütz também comentou o fato de ter tido a conta desativada pelo Instagram —ela foi recuperada pouco tempo depois. "Não encaro como uma censura do aplicativo", avaliou. "Fui alvo de denúncias de pessoas e robôs, que estavam incomodadas com minha opinião. Teve gente que gostou de eu ter sido 'calada'. Li comentários do tipo: 'Que bom! Que fique banida para sempre'. Um absurdo. Não se colocaram no meu lugar."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem