Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Morte de Paulo Gustavo ocorre no aniversário de 15 anos de 'Minha Mãe É uma Peça'

Peça do ator estreou em 2006 e virou filme de sucesso

Ator e humorista Paulo Gustavo - João Miguel Júnior / Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Há 15 anos estreava, no Rio de Janeiro, o espetáculo "Minha Mãe É Uma Peça", sob direção de João Fonseca, estrelando o ator Paulo Gustavo, que faleceu nesta terça-feira (4), por complicações em decorrência da Covid-19.

O espetáculo entrava em cartaz também em 4 de maio, no ano de 2006, no Teatro Cândido Mendes, um estabelecimento de 120 lugares, localizado em Ipanema, na Zona Sul. Naquele dia, o público pôde conhecer Dona Hermínia.

"Uma mulher de meia idade aposentada e divorciada, cuja maior preocupação é justamente buscar algo com o que se preocupar", como dizia a sinopse da peça, que foi publicada na revista Rio Show, do jornal O Globo.

O comediante se inspirou em sua mãe, Déa Lúcia Amaral, para criar a personagem da peça que ele decidiu montar sozinho. Contando com poucos recursos e apenas três mil reais que o ator conseguiu com ajuda da família, Paulo Gustavo estava convicto que a história tocaria muita gente.

"Em pouco tempo o espetáculo se torna burburinho na cena carioca, o boca a boca se ocupa da divulgação e as sessões vão se esgotando com uma antecedência cada vez maior", diz nota publicada em seu site oficial.

"Sessões extras passam a ser uma constante, já fazendo parte da agenda do teatro, até que chega o momento em que o Cândido Mendes, tão acolhedor e berço de tantos espetáculos de sucesso, fica pequeno para o espetáculo", completa.

Então a carreira de Paulo Gustavo começou a decolar. Em janeiro de 2007, o espetáculo foi para o Teatro Leblon, contando agora com 480 lugares e ingresso a R$ 50. As sessões continuaram lotadas e nos quatro anos seguintes, mais de 500 mil pessoas assistiram ao monólogo.

Em 2011, o humorista estreou no canal Multishow com o programa 220 Volts, que teve cinco temporadaas, em que ele interpretava diversos personagens em vídeos curtos. Ele também esteve no elenco de séries como "Vai que Cola" (2013) e "A Vila".

No ano de 2013 o primeiro filme da sequência "Minha Mãe É Uma Peça" chegou às telas dos cinemas, e anos depois a franquia se tornou a mais bem sucedida da história do cinema brasileiro. O terceiro longa ostenta atualmente o título de maior bilheteria de filme nacional de todos os tempos, com uma renda bruta de R$ 143,9 milhões.

Paulo Gustavo morreu na noite desta terça (4) após quase dois meses internado em um hospital da zona sul do Rio, devido a complicações da Covid. Antes da confirmação de morte, a equipe médica já tinha classificado seu quadro como irreversível.

“Após a constatação da embolia gasosa disseminada ocorrida no último domingo, em decorrência de fístula brônquio-venosa, o estado de saúde do paciente vem deteriorando de forma importante”, afirmava o último boletim médico.

O ator foi internado no dia 13 de março e respondeu bem ao tratamento. Porém, no dia 2 de abril, seu estado piorou e ele passou a respirar com a ajuda de ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea), uma espécie de pulmão artificial.

Nos dias seguinte, a equipe médica identificou uma fístula broncopleural, espécie de comunicação anormal entre os brônquios e a pleura, que foi corrigida. Paulo Gustavo também teve que receber uma transfusão de sangue, segundo seu marido.

Dias depois foi realizada uma toracoscopia, na qual uma nova fístula broncopleural foi identificada e corrigida. “Todos os profissionais têm se empenhado incessantemente pela sua recuperação”, afirmou boletim médico divulgado no último dia 11.

Muitos famosos lamentaram a morte do ator, desde amigos até a cantora americana Beyoncé. “Aplaudam de pé esse grande homem! Gritem bravo! Façam uma homenagem a Paulo Gustavo em suas casas. Aplaudam de pé esse grande artista”, afirmou Tatá Werneck em suas redes sociais.

O presidente Jair Bolsonaro também deu seus votos “pelo passamento do ator e diretor Paulo Gustavo”. “Que Deus o receba com alegria e conforte o coração de seus familiares e amigos, bem como de todos aqueles vitimados nessa luta contra a Covid.”

O escritor Paulo Coelho, 73, prestou uma homenagem ao ator e utilizou frases negacionistas para protestar sobre a pandemia. “Assassinos de Paulo Gustavo: quem dizia ‘é só uma gripezinha’, ‘não passa de 200 mortes’, ‘cloroquina resolve’”, disse.

A lista continuou: “‘gente morre todo dia’, ‘lockdown destrói o país’, ‘máscara nos faz respirar ar viciado’, ‘eu obedeço o comandante’, e por aí vai. Canalhas da pior espécie”, completou o autor que já vendeu 320 milhões de exemplares de seus 30 livros.

Paulo Gustavo foi o criador de diferentes personagens de humor. Dona Hermínia é a mais famosa deles e uma campeã de bilheterias nos cinemas com a trilogia “Minha Mãe É uma Peça”. “Essa personagem mudou minha vida para sempre. Nunca imaginei que o que eu escrevia fosse ter essa repercussão dessas”, chegou a afirmar o ator.

Ela e outros personagens marcantes de Paulo Gustavo, como Maria Enfisema e Senhora dos Absurdos fizeram parte do 220 Volts, programa exibido entre 2011 e 2016 no Multishow, e que ganhou um especial em 2020, com transmissão na Globo.

Ele também interpretou o delegado Lupicínio no “Sítio do Pica-Pau Amarelo”, em 2007. Em outubro daquele ano, no extinto Vídeo Show, Paulo Gustavo afirmou que o programa foi seu primeiro contato com a televisão. “Um aprendizado”, disse ele

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem