Celebridades

Gabriel Leone se rende aos podcasts após um ano parado: 'Abre meu leque'

Ator estará na próxima novela das 21h e na nova temporada de 'Dom'

O ator Gabriel Leone na pré-estreia do filme 'Minha Fama de Mau' Zanone Fraissat - 06.fev.2019/Folhapress

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Com um currículo abarrotado de filmes e séries, o ator Gabriel Leone, 27, agora tem se dedicado também aos podcasts. Sem deixar a atuação, ele, que estará na próxima novela das 21h da Globo, está no comando do podcast [Re]discover, da Amazon Music, além de interpretar Michel no podcast ficcional “Oculto” (Orelo).

Leone conta que a produção do podcast com a Amazon Music foi quase em simultâneo com o “Oculto”, que fez junto de Bianca Comparato, 35. “Foi muito interessante porque estou explorando essa linguagem nova e já de cara tenho a oportunidade de fazer um como ator ("Oculto") e o outro como locutor ([Re]discover)”, explica ele.

Mas a atuação diante das câmeras não será deixada de lado, garante ele, que está em festa pelo retorno das gravações da novela “Um Lugar ao Sol” (Globo). "Me fez muito bem voltar", comenta. "Estávamos filmando dentro de todo o protocolo que foi desenvolvido pela Globo, com toda a segurança", afirma sobre os cuidados com a Covid-19.

Leone também está na série “Dom” (Amazon) que estreia no dia 4 de junho. “Foi um grande desafio, pela intensidade do personagem e entrega que eu tive, mas é uma história muito importante para ser contada”, diz ele.

A série brasileira é inspirada em uma história real e exibe a relação de pai e filho entre Victor (Flávio Tolezani), um policial que se dedica no combate às drogas, e Pedro Dom (Leone), dependente químico e líder de uma quadrilha de criminosos.

“Foi um dos personagens que eu mais me diverti fazendo”, acrescenta o artista. “Foi incrível começar essa parceria com o Breno [Silveira], um grande diretor que eu admirava há bastante tempo”.

O artista afirma que Pedro Dom foi seu último personagem nas câmeras antes da pandemia e do isolamento social. “Foi um processo muito intenso”, relembra ele, que estava sem trabalhos havia cerca de um ano quando começou a se dedicar à produção dos podcasts.

Narrado pelo artista, [Re]discover tem a proposta de analisar, a cada mês, um ritmo musical brasileiro. Entre os convidados já estiveram Dennis DJ, 40, para falar sobre funk, Aline Barros, 44, conversando sobre gospel, e até mesmo a banda de samba Fundo de Quintal.

“Passei 2020 todo pesquisando sobre música brasileira e estudando música, tanto nos instrumentos que eu toco quanto pesquisando e escutando discos. Parece até que foi um projeto meu ou uma ideia minha, mas foi uma coincidência feliz”, diz ele, que não tinha muito contato com podcasts, mas que em suas pesquisas passou a “descobrir um monte de podcast bacana falando sobre discos e músicas”.

O artista preza em sua carreira pela versatilidade. Para ele, trabalhar em podcasts, com música e com atuação "trouxe possibilidades de circular entre os mais diversos tipos de arte, foi algo também desenvolvido de forma natural por mim, principalmente a minha relação com a música".

Ainda sobre o [Re]discover, Leone diz que “é uma ideia muito interessante, porque, como cada mês falamos de um gênero diferente, tem muitos artistas que eu não tenho um conhecimento profundo”, e para ele isso “abre mais o meu leque”.

A paixão de Leone pela música e atuação já estiveram juntas no filme “Eduardo e Mônica” (2020). “Dá para dizer que foi quase a realização de um sonho, porque uma das bandas da minha vida é a Legião Urbana”, afirma o artista.

Ele conta que a música “Eduardo e Mônica” está no seu álbum favorito da banda, e que “foi muito especial fazer esse personagem tão icônico e tão imaginado na cabeça das pessoas”. “Foi um dos projetos mais especiais que eu já fiz”, conclui.

O ator afirma que a escolha de sua profissão veio da sensação de estar no palco, desde o início de sua carreira nos teatros. “Foi a sensação que eu tive vendo as pessoas rindo de alguma situação, de alguma cena ou se emocionando com também”.

Para ele, saber que seu trabalho proporciona essas emoções nas pessoas é fundamental. “Essa troca e essa relação: é isso que eu carrego para todos os trabalhos, seja em qual mídia for”, completa.

REDES SOCIAIS

O artista afirma que não costuma compartilhar muito de sua vida em suas redes sociais, porém, ao ver seu feed no Instagram seus seguidores encontram muitas indicações de conteúdos para serem consumidos.

“Não consigo lidar com as redes sociais de uma maneira mais tradicional”, explica Leone. Para ele, nas redes ele encontrou um “lugar e veículo que eu exponho as questões dos meus trabalhos”.

“Acima de tudo isso, como eu gosto muito de pesquisa, principalmente sobre música, filmes, livros em geral, achei um canal interessante também para ter esse diálogo com as pessoas que gostam do meu trabalho”.

Ele diz que as publicações ocorrem de forma natural e que não há nenhum tipo de cobrança em relação a isso. “Uma coisa bacana foi ver o retorno, mesmo que pequeno e menor do que se eu estivesse postando uma selfie, de pessoas que foram atrás de alguma indicação e que curtiram, que aquilo fez um bem a elas”.

“Se uma pessoa ali escutar o disco que eu to indicando e conhecer uma banda ou um som novo que for acrescentar para ela, penso que a minha ideia já está dando certo”, conclui o artista.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem