Celebridades

Susana Vieira diz que 'vira e mexe tem recaídas' por causa de leucemia

Atriz conta que faz quimioterapia rindo e de forma leve

A atriz Susana Vieira no Criança Esperança 2019
A atriz Susana Vieira - João Cotta/TVGlobo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Susana Vieira, 78, disse que, de vez em quando, tem recaídas por causa da leucemia que teve em 2015 e que retorna ao hospital para tratamento.

“Eu continuei levando a vida normal. Vira e mexe eu dou uma recaída. Aí vou para o hospital, faço quimioterapia”, comentou a atriz, em entrevista em uma live da revista Caras.

No bate-papo, a artista descreveu o momento quando descobriu estar doente. "A primeira pergunta que eu fiz foi se eu iria morrer e quando? O médico falou assim: ‘não, você não vai morrer disso’. Quando comecei a fazer quimioterapia, eu perguntei se iria ficar careca, porque eu sou muito vaidosa e fútil."

Apesar da dificuldade, Susana Vieira diz que procura encarar de forma leve o tratamento. É Ketryn Goetten, casada com filho dela, Rodrigo Vieira, quem a acompanha nas sessões. "Faço sempre rindo porque eu levo uma pessoa agradável comigo, que é a minha nora, Ketryn, ou minha outra amiga, a Rosângela, elas me fazem rir na quimioterapia.”

Susana Vieira recebeu o diagnóstico de leucemia linfocítica crônica, uma doença que não tem cura. Trata-se de um tipo menos agressivo de câncer que se desenvolve a partir de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do corpo, geralmente em pessoas idosas.

Ele não impede o desenvolvimento de células saudáveis, costuma progredir mais lentamente do que outros tipos de leucemia e, em alguns casos, não se manifesta durante anos. Em entrevista ao Fantástico em 2018, a atriz disse que a maior dificuldade era não poder ser independente em determinado momento do tratamento.

“Tiveram que trocar fralda em mim, porque eu não podia me levantar”, lembrou. “Quando eu me vi tão exibida, tão vaidosa, tão dona de mim, tão senhora do destino, com uma enfermeira tendo que trocar a minha fralda, foi muito pesado”, contou.

Ela continuou. “Quando você fica doente, todos nós que somos produtivos e independentes, existe um medo de ficar dependente e precisar de pessoas em volta para te conduzir." “O que eu mais jactava na vida era ter saúde, eu jactava que tinha 50, 60, 70 anos com saúde. Eu tenho pavor de morrer, acho que se a morte chegar eu vou esbofeteá-la”, contou à época.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem