Celebridades

Carlos Bolsonaro abre queixa-crime contra Felipe Neto e Bruna Marquezine

Vereador diz que youtuber e atriz caluniaram o presidente Jair Bolsonaro

-
Carlos Bolsonaro posa com arma - Reprodução/Twitter
São Paulo

O vereador pelo Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos) anunciou, nesta quinta-feira (11), pelas redes sociais que vai abrir queixa-contra Felipe Neto e a atriz Bruna Marquezine por calúnias contra seu pai, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O youtuber e a atriz têm postado críticas ao presidente nas redes sociais.

No Instagram, Carlos publicou uma montagem com as fotos dele, de Bruna Marquezine nua em um trabalho de dramaturgia com os seios cobertos por estrelas e do youtuber com o cabelo colorido. Ao lado da postagem, o vereador publicou o artigo 138 do Código Penal.

“Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: pena detenção, de seis meses a dois anos, e multa. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga”, escreveu Carlos.

Em resposta, Felipe Neto criticou a publicação de Carlos Bolsonaro com uma foto dele e de Bruna no Instagram. O youtuber escreveu que colocar uma foto de Bruna em um trabalho de dramaturgia “com os seios cobertos com estrelinhas vermelhas dando uma conotação sexual de maneira rasteira” é vergonhoso.

O youtuber afirmou que enfrenta a articulação do ódio há muito tempo e que isso não o amedronta porque a razão que está ao meu lado e mais de 41 milhões de pessoas. “Vocês podem botar medo em quem não tem como se defender, mas aqui não tem essa. Estamos prontos para todo tipo de covardia do lado de vocês e não vamos nos calar em função dessas tentativas nojentas de silenciamento. Os governantes devem temer seu povo, nunca o contrário. Nós vamos vencer”, escreveu.

Procurado, o youtuber reitera seu posicionamento feito nas redes sociais nesta quinta (11) e informa que “sua equipe jur ídica ainda não recebeu nenhuma notificação acerca do caso”.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem