Celebridades

Ator de 'Chiquititas' diz querer voltar a atuar após ser inocentado de agressão

Ex-mulher disse se sentir injustiçada com absolvição de João Gabriel Vasconcellos

O ator e empresário João Gabriel Vasconcellos
O ator e empresário João Gabriel Vasconcellos - Instagram/@joaogabrielvasconcellos
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O ator e empresário João Gabriel Vasconcellos, 34, disse estar feliz com o fim do processo por agressão movido pela ex-mulher, Jessica Aronis. Ele foi inocentado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, após três anos de disputa judicial que, segundo conta, tiveram impacto negativo na vida pessoal e profissional dele.

"Recebi a sentença com alívio", diz o ator em entrevista por telefone ao F5. "Sempre acreditei na Justiça e me apoiei na verdade, tinha certeza de que ia ganhar esse processo."

"Qualquer um pode ser acusado injustamente", afirma. "O processo é justamente para investigar se existe alguma prova que indique que aquilo aconteceu. Eu sou inocente e não preciso mais provar isso. A investigação foi feita e a informação está toda lá."

Vasconcellos, que interpretou o Armando de "Chiquititas" (atualmente em reprise pelo SBT) e teve um papel de destaque na série "O Negócio" (HBO), afirma que a acusação foi responsável por fazer com que a carreira dele de ator fosse praticamente encerrada. "Desde então, eu não me envolvo em nenhuma produção audiovisual ou peça de teatro", afirma. "É impossível mensurar o dano financeiramente."

Ele diz que, depois que a notícia da suposta agressão foi divulgada, foi cortado de uma série da Netflix, que já havia gravado como um dos protagonistas, e foi dispensado pela agência de modelos na qual trabalhava desde os 16 anos. Teve contratos publicitários cancelados e deixou de receber convites para testes.

"Antes de conhecer a minha ex eu já era ator, me preparei muito tempo para alcançar o patamar onde estava", avalia. "Tenho fé de que, com a verdade reestabelecida, eu possa voltar a atuar. É o que eu amo fazer."

Ele conta, porém, que nada vai apagar o sofrimento pelo qual passou nos últimos anos. "Afetou tudo na minha vida e na da minha família também", diz. "Eu me isolei, não conseguia sair e tive depressão. Continuo com acompanhamento psicológico para me reestabelecer. Neste momento, estou tentando restabelecer a minha moral."

"É impossível lidar bem com tudo o que aconteceu", diz ele, que não se envolveu em nenhum relacionamento desde o fim do casamento. "Fui condenado publicamente antes mesmo de a ação ser iniciada. Fui acusado de dar chutes, tapas e socos em uma mulher, que é algo que eu repudio completamente. Eu repudio qualquer tipo de violência."

"Também recebi ameaças de mortes na internet", afirma. "Essa política do cancelamento é muito grave, você é julgado antes do processo. Eu sou uma figura pública e paguei muito caro por isso."

O ator e empresário diz que não sabe responder qual motivo a ex-mulher teria para fazer uma acusação tão séria. "Eu realmente não sei explicar porque uma pessoa agiria assim", diz. "O nosso relacionamento estava em declínio e, como éramos sócios, começamos a levar os problemas da empresa para casa, mas nada justifica ela ter pego esse caminho."

"Eu nunca neguei que desaforos existiram de ambas as partes, eu não expus nada do que ela falou por integridade, mas os desaforos eram mútuos", disse. "A questão é que ser acusado de ser agressor é muito grave, e isso não existe em lugar nenhum do processo, porque não aconteceu."

Ele também afirma que as críticas que Aronis fez à Justiça após a sentença. A modelo e influenciadora digital afirmou ao F5 que considerava o judiciário brasileiro "machista". "Houve todo um colegiado, o resultado perdurou na primeira e segunda instância", diz Vasconcellos. "Como você vai criticar a sentença de pessoas que são preparadas para investigar e julgar casos como esse?"

Agora, Vasconcellos diz que vai mover uma ação indenizatória contra a ex-mulher por denunciação caluniosa, fraude processual e perturbação da tranquilidade. Entre as provas que ele pretende apresentar estão um exame de corpo de delito que não foi aceito pelo promotor do caso, um boletim de nada consta que a Polícia Militar fez no dia de uma suposta discussão do casal e um laudo pericial que mostra que os áudios usados pela acusação foram editados.

ENTENDA O CASO

A modelo e o ator foram casados por cinco anos. No ano de 2018, Aronis compartilhou em seu perfil do Instagram um relato de que sofreu um relacionamento abusivo, sem citar nomes. Na época, ela afirmou ter passado por situações humilhantes que iam desde agressões verbais e físicas a tortura psicológica, que a fizeram desenvolver uma anorexia nervosa.

O desembargador Laerte Marrone absolveu o ator por "falta de provas". Marrone, relator do processo, disse que nenhuma testemunha esteve presente no momento em que a agressão teria ocorrido. "Não se pode chegar a uma conclusão segura sobre qual teria sido o exato comportamento do réu", afirmou ele, mesmo admitindo que existam "fundadas suspeitas", segundo a coluna de Rogério Gentile, no UOL.

A assessoria de Vasconcellos afirmou que, dentre os argumentos para provar a inocência do ator, estavam supostos áudios que a acusação "gravava e editava de acordo com seus próprios interesses". Sobre a gravação, o TJ considerou ainda que ela era "grosseira e ofensiva", mas soa mais como uma "bravata do que como uma efetiva promessa de mal à ofendida".

"Ainda mais a se considerar que o ator disse que gostaria de atirar uma pedra, uma cama e um abajur contra a vítima o que parece não poder ser considerado, no contexto da causa, como uma ameaça séria", concluiu o desembargador.

Ao F5, Aronis afirmou que se sentia injustiçada com a absolvição do ex-marido. "A Justiça brasileira é extremamente machista", afirmou. "Sinto muito pelas mulheres que morrem diariamente por serem mulheres, por terem a palavra descredibilizada, por serem silenciadas. Isso acontece todos os dias com mulheres. Nossa voz é abafada o tempo inteiro."

Ela também disse que está se “aliando a promotores de Justiça para tentarmos fazer uma mudança estrutural, para que pelo menos o juiz que vá julgar um caso de violência doméstica, seja uma mulher ou seja uma pessoa que passou por um processo de treinamento". "É muito triste o que aconteceu comigo", avaliou.

A modelo afirma que a decisão de tornar pública sua experiência partiu do "objetivo de ajudar outras pessoas". Ela diz que ainda irá lutar contra a violência doméstica, mas que não quer mais usar o próprio caso como exemplo. Para ela, o ator ser inocentado "tira totalmente a minha credibilidade em falar: 'Denunciem, é o certo a fazer. Você precisa denunciar'.”

Quanto ao processo que João Gabriel Vasconcellos pretende mover contra ela, a modelo disse: "Eu não sei com que base ele vai fazer isso".

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem