Celebridades
Descrição de chapéu BBC News Brasil

Archie: Por que o filho de Meghan e Harry não é um príncipe?

Meghan Markle e o príncipe Harry com o filho, Archie
Meghan Markle e o príncipe Harry com o filho, Archie - Toby Melville-25.set.2019/Reuters
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

BBC News Brasil

Na entrevista concedida a Oprah Winfrey, Meghan Markle comentou sobre conversas que ocorreram quando ela estava grávida sobre o status de seu futuro filho na família real, incluindo o título que ele ou ela receberia.

"Eles estavam dizendo que não queriam que ele fosse um príncipe ou princesa, não sabendo qual seria o gênero, o que seria diferente do protocolo", disse a duquesa de Sussex.

A preocupação de Meghan, conforme detalhou na entrevista à apresentadora americana, ia além do título em si e tinha relação com a segurança do filho —o nível de proteção concedida aos membros da família real não é o mesmo para todos.

O QUE DIZ O PROTOCOLO REAL?

As regras sobre quem pode ser príncipe e, por consequência, elegível ao tratamento como Sua Alteza Real (HRH, his royal highness) vêm de uma carta-patente emitida pelo rei George 5º em novembro de 1917.

Carta-patente é um instrumento jurídico que pode ter forma de carta aberta do monarca e pode ser usada ​​para declarações reais ou para a concessão de títulos da nobreza. Na carta de 1917, George 5º declarou que os bisnetos do monarca não seriam mais príncipes ou princesas, exceto o filho mais velho do filho mais velho do Príncipe de Gales.

Na situação atual, isso significa que o príncipe George, filho de Kate Middleton e do príncipe William, se tornou automaticamente um príncipe, mas não Archie –o filho de Harry e Meghan–, embora ambos sejam bisnetos da rainha.

Segundo esse protocolo, os irmãos do príncipe George –Charlotte e Louis– também não teriam recebido o título. No entanto, em dezembro de 2012, a rainha emitiu uma carta patente que dizia que todos os filhos do príncipe William teriam o direito de ser príncipes ou princesas e de receber o título de Sua Alteza Real.

E O TÍTULO DE ARCHIE?

De acordo com a carta de 1917, Archie tem o direito de se tornar um príncipe, mas não agora. Segundo o documento, os filhos do duque e da duquesa de Sussex teriam que esperar até que o príncipe Charles se torne rei, momento em que passariam a ser netos do monarca e, portanto, teriam o direito de ser príncipes ou princesas.

É por isso que as filhas do príncipe Andrew –Beatrice e Eugenie– foram princesas desde o nascimento, mas August, o filho de sua filha, a princesa Eugênia, não é um príncipe.

A duquesa de Sussex tinha ciência do protocolo. Ela se referiu na entrevista a uma "convenção de George 5º ou George 6º" que significaria que seu filho Archie se tornaria um príncipe "quando o pai de Harry se tornasse rei".

Mas prosseguiu dizendo que, quando ela estava grávida, lhe disseram que "eles querem mudar a convenção para Archie" para que ele não se tornasse um príncipe. Ela não deu mais detalhes sobre isso, e o Palácio de Buckingham não comentou as afirmações.

A ENTREVISTA

Na aguardada entrevista à apresentadora de TV americana Oprah Winfrey, Harry e Meghan falaram sobre racismo, saúde mental, tratamento pela mídia e outros membros da realeza. Uma das principais revelações foi a de que um membro não identificado da família real teria demonstrado preocupação sobre "quão escura" a pele do filho do casal seria.

A declaração foi feita por Meghan à Oprah e, posteriormente, confirmada por Harry na mesma entrevista. Meghan também falou sobre como se sentiu solitária depois de entrar para a família real e sobre a perda de sua liberdade. "Quando me juntei àquela família, foi a última vez, até virmos para cá, que vi meu passaporte, minha carteira de motorista, minhas chaves, tudo isso é entregue a eles", disse.

Ela disse que sua saúde mental piorou tanto que "não queria mais estar viva". Membros do alto escalão da família real britânica se reuniram para discutir a crise provocada pela entrevista.

A repórter da BBC que cobre a família real, Daniela Relph, disse que é "cada vez mais insustentável para o Palácio de Buckingham não dizer nada" sobre as manifestações do duque e da duquesa de Sussex — ela acrescenta, contudo, que seja improvável que se responda com pressa à crise.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem