Celebridades

Convite de prefeito a Carlinhos Maia para tomar vacina vira alvo de investigação

Ministério Público de Alagoas instaurou um procedimento preparatório

Carlinhos Maia
Carlinhos Maia - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Erramos: esse conteúdo foi alterado
São Paulo

O Ministério Público de Alagoas (MP-AL) confirmou que vai instaurar um procedimento preparatório para apurar se o influenciador Carlinhos Maia recebeu um convite para ser um dos primeiros vacinados no estado.

Maia fez um vídeo anunciando que teria sido convidado pelo prefeito de Maceió, João Henrique Caldas, conhecido por JHC (PSB). Os vídeos foram apagados minutos depois. Procurada na manhã desta terça-feira (19), a prefeitura não respondeu até a publicação deste texto.

O influenciador, mais tarde, fez um texto para dizer que negou o suposto convite. "Me convidaram aqui no meu estado para ser um dos primeiros a tomar a vacina. Não acho justo com quem ficou em casa todo o esse tempo, não aceitei. Mas filmarei mesmo assim para incentivar ainda mais a vacinação dentro do público que me segue".

Por meio de nota, o Governo de Alagoas informou que não convidou pessoas que não fazem parte do grupo prioritário. Somente profissionais de saúde e indígenas serão vacinados com o primeiro lote.

O Ministério Público de Alagoas vai investigar o caso, já que não é permitido que pessoas fora dos grupos prioritários furem a fila da vacinação. O MP-AL afirmou ainda que "no seu papel constitucional, preservará, com o rigor da lei, a lisura e a legalidade da vacinação em Maceió e em todo estado".

O humorista, que foi muito criticado por realizar uma festa em plena pandemia, disse ainda que vai acompanhar a vacinação para incentivar os seguidores a se imunizarem. "Filmarei mesmo assim para incentivar ainda mais a vacinação dentro do público que me segue", disse.

O estado de Alagoas deve receber 71 mil doses para dar início à vacinação nesta terça-feira (19).

A primeira aplicação no Brasil da vacina contra a Covid-19, fora dos ensaios clínicos, foi feita às 15h30 no domingo (17), no Centro de Convenções do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, na capital paulista.

A primeira pessoa a ser imunizada foi a enfermeira Monica Calazans, 54, que trabalha na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, conforme antecipou a coluna Mônica Bergamo. Com obesidade, hipertensão e diabetes, ela faz parte do grupo de risco.

Calazans foi vacinada pela enfermeira Jéssica Pires de Camargo, 30. A aplicação da vacina ocorreu em caráter simbólico, ao lado do governador João Doria, fiador da Coronavac no país. Calazans afirmou que não sentiu nenhum sintoma adverso ou efeito colateral após tomar a Coronavac. Não teve febre nem dor no braço vacinado.

Em decorrência da repercussão sobre a primeira dose aplicada no país, incluindo destaque na imprensa internacional, Calazans afirmou que foram criadas cerca de 300 contas falsas, como se fossem dela, no Twitter. “Mas já estou resolvendo este problema com eles [da rede social]”, disse. Uma dessas publicações falsas diz que a enfermeira passou o fim de ano na praia em meio a aglomerações. ​

ERRAMOS: O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo

Carlinhos Maia teria recebido um convite do prefeito de Maceió para ser vacinado​, e não do governo de Alagoas. A informação foi corrigida.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem