Celebridades

Maria Flor pede impeachment de Bolsonaro em vídeo com gritos e palavrões

'É revolta que tá me subindo aqui', diz atriz que viralizou nas redes sociais

A atriz Maria Flor
A atriz Maria Flor - Mathilde Missioneiro/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, a atriz Maria Flor, 37, faz um desabafo sobre a situação do Brasil em relação ao atual governo e o enfrentamento da pandemia. Ela ficou entre os temas mais comentados do Twitter, nesta terça-feira (19).

Ela questiona os motivos que fizeram ocorrer o impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, em contraponto com os pedidos negados para que o atual presidente Jair Bolsonaro passe pelo mesmo processo.

"O que ela fez? Pedaladas fiscais", afirma a atriz. "O Bolsonaro está no poder há dois anos. Você quer que eu te diga? Interferência na polícia militar, milícia, o filho dele arrumou um monte de funcionário fantasma para trabalhar com ele no gabinete no Rio de Janeiro. O homem deixou oxigênio faltar em Manaus, as pessoas morreram. Tem uma pandemia no governo desse homem, e ele, 'ah, não pandemia'? Só essa frase...cadê o impeachment?", questionou Maria Flor.

Ela cobra o deputado federal Rodrigo Maia (DEM) a tomar uma atitude, mas, ao mesmo tempo, questiona que o vice Hamilton Mourão pode não ser a solução. "O que vamos fazer com o Mourão? Nada também. Estamos com militares no governo, 2021, gente!", grita a atriz batendo a mão no pulso.

"Estamos em um governo ainda cheio de homem branco, velho e escroto, que não vê nada, que deixa a gente morrer, o que que tá acontecendo Brasil?"

"É revolta que tá me subindo aqui, eu quero rasgar a minha roupa, sair pelada. Não sei o que eu quero fazer, mas se pego um homem desse na minha frente....Dá vontade de pegar um avião e ir pra Brasília....Ah, se eu encontro um homem desse, eu encho a cara dele de bolacha".

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem