Celebridades

Yoko Ono pede controle de armas nos 40 anos do assassinato de John Lennon

Viúva também postou imagem dos óculos destruídos e ensanguentados do músico

Yoko Ono durante evento em Nova York
Yoko Ono durante evento em Nova York - Don Emmert-29.jul.2015/AFP
Nova York
AFP

A viúva de John Lennon, Yoko Ono, aproveitou nesta terça-feira (8) o 40º aniversário do assassinato do músico lendário para pedir um maior controle das armas."A morte de um ente querido é uma experiência que deixa uma forte marca", tuitou a artista de 87 anos, que ainda vive no edifício Dakota, em Manhattan, às portas do qual Lennon foi vítima de um disparo.

"Depois de 40 anos, Sean, Julian e eu ainda sentimos saudades dele. 'Imagine all the people living life in peace'", acrescentou, citando um verso da canção 'Imagine', de 1971, que escreveu junto com Lennon e que se tornou o single mais vendido da carreira solo do ex-Beatle.

Ono, que presenciou o assassinato do marido de perto, também postou uma imagem dos óculos destruídos e ensanguentados de Lennon, com a seguinte legenda: "Mais de 1.436.000 pessoas morreram por armas de fogo nos Estados Unidos desde que John Lennon foi assassinado a tiros em 8 de dezembro de 1980".

Após o assassinato, Ono se dedicou a preservar a memória de Lennon, financiando a construção do memorial Strawberry Fields de Nova York, local de peregrinação para os seguidores do ex-Beatle de todo o mundo. Na manhã desta terça-feira, um santuário com flores, fotos e uma pequena árvore apareceram no mosaico "Imagine" localizado no memorial do Central Park.

Em seu tuíte para relembrar a morte do esposo, Ono incluiu várias hashtags, como #guncontrol (controle de armas) e #end gun violence (fim da violência com armas).

Julian, de 57 anos, o filho mais velho de Lennon, prestou homenagem ao pai, postando uma foto no Twitter, com a mensagem "As Time Goes By..." (Com o passar do tempo, canção do filme Casablanca).

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem