Celebridades

Dr. Rey se oferece para cargo de ministro da Saúde após saída de Nelson Teich

'Sou cidadão, tenho direito', afirma cirurgião plástico

Dr. Rey manifesta desejo de ser Ministro da Saúde
São Paulo

Na cadeira de um avião, usando jaleco e com o estetoscópio no pescoço. Foi assim que Robert Rey, 58 —cirurgião plástico famoso por participar do reality show Dr. Hollywood, no qual mostrava o resultado de procedimentos estéticos realizados por ele —se ofereceu para ser ministro da Saúde no Brasil, substituindo Nelson Teich, 62, que deixou o cargo nesta sexta-feira (15), menos de um mês após assumir o posto.

"É muito humilhante pedir, mas eu peço. Presidente Bolsonaro, me considere como ministro da Saúde. Sou formado em Ciências Políticas, Ciências Públicas em Saúde em Harvard e fiz Cirurgia em Cosmética e Cirurgia em Trauma também em Harvard. Eu apoio o seu plano 100% porque ele é o mesmo dos Estados Unidos", disse Rey em vídeo publicado no Instagram no mesmo dia em que Teich se demitiu.

Para o cirugião é "vergonhoso que, em vez de lutar contra a pior epidemia da história do nosso país, exista uma guerra de ideologias". Ele disse apoiar o uso de hidroxicloroquina, medicamento cuja eficácia no tratamento contra a Covid-19 ainda não foi confirmada, podendo ser utilizada no Brasil somente sob orientação médica.

"Vou trazer ideias novas. Vamos proteger a economia, porque com ela destruída o Brasil fica pior que o Terceiro Mundo. Aqui quem fala é o Dr. Rey e peço que eu seja cogitado para ministro da Saúde. Eu trago ideias novas, como por exemplo, o uso dos anticorpos que Israel está produzindo, como injeção'', diz na mesma postagem, que também contraria a recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde), que indica isolamento social para evitar que a pandemia se espalhe.

"Houve 26 epidemias desde que virei médico: HIV, zica, hepatite, SARS (sigla em ingês para Síndrome Respiratória Aguda Grave), dengue... houveram mortes tristes, mas não foi o fim do mundo. Se nós fecharmos a economia para sempre, dez anos, um ano, seis meses, o Brasil entrará em uma depressão", pontuou Rey, comparando o cenário atual com a Crise de 1929.

Ele finalizou o vídeo reafirmando o alinhamento com Jair Bolsonaro, 65, (sem partido) em relação à pandemia, mostrando preocupação com a situação do Brasil, agradecendo ao povo e reafirmando o desejo de ficar à frente da Saúde. "Sou cidadão, também tenho direito de pedir para ser considerado para ministro da Saúde".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem