Celebridades

Bruno Miranda, o 'Borat' de Amor e Sexo, faz leilão de cuecas nas redes sociais

Modelo quer arrecadar fundos para pessoas carentes durante pandemia

Bruno Miranda, o Borat do programa Amor & Sexo
Bruno Miranda, o Borat do programa Amor & Sexo - Instagram/@brunomiranda.borat
São Paulo

Conhecido como o Borat de Amor & Sexo (Globo), apresentado por Fernanda Lima, o modelo Bruno Miranda quer ajudar as pessoas das comunidades cariocas afetadas pela pandemia do novo coronavírus.

Para isso, Miranda está realizando leilões de cuecas, sungas e bermudas através das suas redes socais. "Tenho uma vida confortável com a minha família, mas na favela a coisa está feia. Conheço pessoas em comunidades ao redor da Ilha do Governador e tem muita gente passando aperto. Por isso, tive a ideia de fazer o leilão das peças. Era um desejo antigo dos fãs de adquirir, mas não via necessidade. Agora é a oportunidade", contou ao UOL.

Casado com a médica Mariana Melgaço de Mello, e pai do Enzo, 5, Bruno Miranda vive em uma cobertura na zona oeste do Rio de Janeiro. Segundo ele, a ideia de disponibilizar peças íntimas para lances virtuais surgiu durante bate-papo com seus seguidores.

"O fã perguntou por que eu não leiloava uma cueca minha usada e eu tirei a que estava vestindo. Comecei do nada. Nunca coloquei um valor mínimo. O máximo a que chegou foi R$ 5.000. Fiz três leilões até agora", conta.

O modelo também faz questão de deixar claro que o leilão tem como destino principal as pessoas carentes. "Estou fazendo por caridade, para ajudar ao próximo. A mim, essa crise não afetou", justifica. O lance virtual acontece às terças e quintas-feiras, às 19h. Segundo o UOL, Miranda atende atenciosamente aos pedidos de seus compradores.

Nas suas publicações, diversos pedidos inusitados surgem, mas nem sempre ele atende a todos. Um internauta perguntou se Borat poderia tirar a cueca do corpo dele, caso a arrematasse."Pode ficar com seu dinheiro, porque não é essa a minha intenção", retrucou o modelo.​

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem