Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Pabllo Vittar não quis se defender sobre restrição de idade em vídeo, diz Conar

Cantora diz que clipe de sua música sofreu 'censura seletiva'

Pabllo Vittar - Instagram/pabllovittar
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Após Pabllo Vittar, 25, ter feito, na última terça-feira (21), uma série de vídeos alegando que seu clipe "Parabéns" recebeu uma "censura seletiva", o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) se pronunciou em nota oficial dizendo que "Pabllo Vittar optou por não se defender" do caso, julgado no início de dezembro.

O vídeo da música da cantora foi bloqueado para menores de 18 anos no YouTube por conter uma cena de poucos segundos em que Pabllo despeja o líquido de uma garrafa de vodca em um copo. Segundo o Conar, o processo foi aberto em outubro de 2019 pelo clipe apresentar a marca da bebida de teor alcoólico em um videoclipe acessível para menores de idade.

"O caso foi julgado em 5 de dezembro pelo Conselho de Ética. Por unanimidade, deliberou-se pela alteração, para que o videoclipe, por conta da publicidade de bebida alcoólica de alto teor, seja acessível apenas a maiores de idade e que a frase de advertência se torne legível. Vinte e dois conselheiros participaram da reunião, na qual a Campari do Brasil apresentou defesa. Pabllo Vittar optou por não se defender, ainda que regularmente comunicado pelo Conar", diz a nota oficial, publicada no site do conselho.

Quando recebeu a restrição do clipe, Pabllo Vittar foi às redes sociais reclamar o ocorrido. "Recebemos uma restrição de idade no clipe de 'Parabéns', porque estou lá segurando um copo de vodca. Sendo que já havia uma mensagem lá dizendo ‘Beba com moderação’. E mesmo assim, eles quiserem restringir para maior de idade o meu clipe".

"A gente sabe também que têm vários outros videoclipes com conteúdos muito mais explícito, e não são restritos, não são banidos, nem sequer são lembrados. Mas atacam a drag queen [...] Diga não à censura seletiva", acrescentou. Procurada, a assessoria da cantora afirmou que não irá comentar o caso.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem