Celebridades

Mariana Goldfarb revela luta contra anorexia: 'Fiquei pessoa triste que ninguém queria perto'

Modelo e mulher de Cauã Reymond teve a doença entre 2016 e 2017

Mariana Goldfarb no primeiro dia do Camarote Salvador, em 2018
Mariana Goldfarb no primeiro dia do Camarote Salvador, em 2018 - Caio Duran e Marcelo Brammer/Divulgação
São Paulo

A modelo Mariana Goldfarb, 29, abriu o jogo e falou abertamente, e pela primeira vez, sobre o momento mais delicado de sua vida: a sua luta contra a anorexia entre 2016 e 2017. Em vídeo publicado em sua conta no Instagram, ela revelou que passava o dia inteiro sem comer e que, à noite, ingeria uma barra de chocolate para vomitar depois.

“Ao longo dos anos eu fui me reprimindo de comer e fui ficando inimiga da comida, achando que se eu comesse mesmo que alguma coisa saudável que iria me fazer mal e eu iria engordar, não pegaria trabalho e não teria dinheiro”, explicou a modelo, sobre a época em que precisava ser magra para desfilar pelas passarelas.

Segundo o desabafo, a fase foi tão ruim que ela começou a se achar insuficiente, feia e gorda, já que, segundo Mariana, muita gente a julgava ‘por causa das sobrancelhas, das sardas e pela maneira como se vestia’. “Comecei a achar que tinha que fazer alguma coisa para melhorar [a imagem], e aí eu parei de comer”, destaca.

 

Mulher de Cauã Reymond, 39, ator que também foi casado com Grazi Massafera, Mariana contou ainda que ficava em jejum de 18 a 20 horas por dia e que, por conta disso, começou a passar mal em locais como na academia. A anorexia começou a afetar também seu próprio relacionamento com o ator global e com seus amigos. 

“Não saia para comer com meus amigos, comia só proteína. Não comia pizza, uma massa, um arroz, e isso me afastou de muita gente. De repente fiquei uma pessoa triste que ninguém queria ficar perto. Fui me afastando da família e do meu atual marido, meu namorado na época.” Mariana e Cauã Reymond estão juntos, entre idas e vindas, desde 2016. Cauã e Mariana se casaram em abril deste ano

Porém, o jogo virou e ela conseguiu pedir ajuda enquanto havia tempo. Depois de seis meses na luta contra a doença, Mariana foi ao médico e conseguiu se reerguer. “Saí do fundo do poço. Recebi ajuda de muita gente e estou melhorando. Hoje em dia eu olho para a comida e não me assusto mais com ela. Não me privo mais”, finalizou.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem