Celebridades

No ar como a estilosa Poc de 'O Tempo Não Para', Leo Bahia diz que ser gordinho é luta diária

'Ouvi que meu tamanho é difícil. Difícil? Uma a cada 5 pessoas no Brasil é obesa', desabafa

O ator Leo Bahia
O ator Leo Bahia - Divulgação/Caio Scot
Rio de Janeiro

As postagens alto astral de Leo Bahia são marca registrada no Instagram do ator, que está no ar em “O Tempo Não Para” (Globo) como o estiloso Igor - apelidado de Poc pela estilista Zelda (Adriane Galisteu). No entanto, um dos posts mais bombados da rede social do artista foi um triste desabafo sobre a dificuldade de ser gordinho numa sociedade que venera a magreza.

Na maioria das vezes, Leo consegue se blindar de comentários preconceituosos e de tudo o que lhe adverte que está fora dos atuais padrões estéticos. A tarefa, segundo ele, não é fácil.

“Ainda é uma luta diária. Vivemos numa sociedade que nos diz o tempo todo o quanto o nosso corpo não é o desejável ou o bonito. Às vezes isso vem de pessoas super próximas, cultuando a forma magra ‘escultural’ que só te faz pensar o quanto você não se encaixa nesse padrão”, afirma ele ao F5.

Enquanto os arquétipos não mudam, o negócio é exercitar a paciência e o equilíbrio emocional.

“Passei a ter o entendimento de que vai demorar para as pessoas verem que o diferente não é feio, que o feio e o bonito são padrões inalcançáveis que foram inventados para a gente comprar mais produto de beleza, fazer mais plástica, comprar mais remédio, comprar comprar, comprar e ficar cada vez mais insatisfeito com quem a gente é.”

Procurado por outros gordinhos nas redes sociais, que se identificam com suas angústias, Leo afirma que o carinho destes seguidores o deixa mais calmo, feliz e que o faz perceber que não está sozinho.

QUEM NUNCA?

Ansioso, Léo Bahia diz que sua relação com a comida é emocional. Está triste? Come. Está feliz? Come também. De preferência, intercalando salgados e doces. Entre tantas opções, macarrão de abobrinha é seu prato preferido.

Os exames de sangue vão muito bem, obrigado. Falta um pouco de flexibilidade corporal e disposição. Como a maioria dos mortais, já apelou para dietas malucas.

“Sinto a dieta como se fosse uma luta que às vezes estou disposto a lutar e às vezes não tenho forças. Mas com certeza a solução está em exercícios e numa reeducação alimentar (que já tentei, mas acabo desistindo depois de um tempo). Note que quando eu falo sobre aceitação e amar o próprio corpo, não estou dizendo para sair comendo desenfreadamente. O que eu digo é que nós, gordos, existimos. Independentemente da nossa saúde ou de dieta, queremos ser respeitados.”

Apesar de já ter ouvido muitos comentários desagradáveis relacionados a sua forma física, Leo diz que guarda pouco rancor - o que não quer dizer que tenha apagado esses episódios da memória.

“Já ouvi coisas como: ‘uma calça pequena assim seria para um corpo bonito e não para o seu, né?!’ E em frente a uma arara com mais de 200 ternos, ouvi dizerem que meu tamanho é ‘difícil’. Difícil? Uma a cada 5 pessoas no Brasil é obesa. Difícil é viver num mundo que ignora a minha existência e não o meu tamanho de roupa”, afirma ele.

“O pior é que quem disse isso nem deve lembrar que disse, mas em mim ficou marcado a hora, o dia, o lugar e principalmente, as palavras.”

O policiamento que a família, amigos e conhecidos fazem do que coloca em seu prato também é uma constante na vida de Leo - que reprova a atitude.

“Cuida do teu que eu cuido do meu (risos). Não é porque você vê que eu sou gordo que te dá o direito de comentar sobre minha aparência ou o que eu como.”

MERCADO RESTRITO

Leo Bahia não titubeia quando questionado sobre o mercado de trabalho para os atores gordinhos.

“É mais restrito, com certeza. Por isso fico muito feliz quando passo para um papel que nada tem a ver com o meu peso, como é esse papel que estou fazendo agora em ‘O Tempo Não Para’, o Igor Poc. Eu considero isso uma vitória e agradeço muito a Juliana Silveira (produtora de elenco), Leo Nogueira (diretor) e Mário Teixeira (autor) por me enxergarem além do meu peso.”

O artista afirma que acredita que todos os atores e atrizes gordinhos perdem papeis diariamente por causa da estética, mas consegue vislumbrar uma mudança.

“A gente pode fazer qualquer papel em que não está escrito: ‘tem que ser magro’. Mas, simplesmente nem somos cotados como possibilidade. Acho que isso está em processo de mudar, mas ainda está engatinhando.”

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem