Celebridades

Johnny Depp vai receber US$ 25 mi contra ex-empresários por má gestão financeira

Ator teria desistido de seguir com processo contra os seus advogados

Johnny Depp durante apresentação em festival de música em Clisson, na França
Johnny Depp durante apresentação em festival de música em Clisson, na França - Stephane Mahe-22.jun.2018/Reuters
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Jill Serjeant
Los Angeles

O ator Johnny Depp, 55, conhecido por filmes como "Piratas do Caribe", e seus ex-empresários chegaram, nesta segunda-feira (16), a um acordo em processos judiciais por conta de questões de negócios. Os representantes de Depp disseram em comunicado que os termos do acordo são confidenciais. 

Um julgamento estava marcado para começar em Los Angeles em agosto. Uma fonte próxima ao The Management Group, companhia de Los Angeles que lidou com os assuntos de Depp por 17 anos até ter sido dispensada em 2016, informou que o grupo está “satisfeito com o acordo”.

Em um acordo judicial de US$ 25 milhões (R$ 96,6 milhões) apresentado no Superior Tribunal de Los Angeles em janeiro de 2017, Depp acusou a The Management Group de fraude, roubo e má gestão financeira.

A The Management Group apresentou um recurso um mês depois buscando US$ 550 mil (R$ 2,1milhões) em honorários não pagos e danos, e alegando que Depp está em desordem financeira porque gastou milhões de dólares em carros, obras de arte, casas, vinhos e itens de Hollywood.

Depp foi ranqueado pela Forbes como o ator mais bem pago de Hollywood em 2010, com rendimentos de US$ 75 milhões (R$ 290 milhões), em maior parte pela franquia "Piratas do Caribe".

O acordo acontece à medida que divulgações começam para "Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindewald", uma sequência do spinoff da saga "Harry Potter", na qual Depp interpreta uma versão mais jovem de Grindewald, que encarna as forças das trevas no mundo da magia. O filme estreia nos cinemas em novembro.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem