Celebridades

'Acabamos aturando pequenos abusos e a repetição disso é agressiva', diz Alice Braga

Atriz denuncia falta de representatividade feminina em obras de entretenimento

A atriz Alice Braga
A atriz Alice Braga - Gil Inoue

São Paulo

Atriz brasileira mais bem-sucedida em Hollywood, Alice Braga estará em "Os Novos Mutantes", spin-off da franquia "X-Men", que tem estreia prevista para o início de 2019.

Ainda neste ano, ela volta com a terceira temporada de "A Rainha do Sul", série americana em que vive uma chefe do tráfico de drogas. Alice denunciou a falta de representatividade na equipe da série e acabou surtindo efeito.

Na temporada seguinte, contrataram uma mulher como roteirista. Ela falou sobre os novos projetos em entrevista à revista "Cosmopolitan", que chegou às bancas neste mês. "Na primeira temporada de 'A Rainha do Sul', os roteiristas eram dois homens americanos. Nada contra, mas não tinha um latino e uma mulher entre eles. série é protagonizada por uma mulher mexicana. Como vamos conseguir representatividade se nem atrás das câmeras temos isso?”, disse à publicação.

Na adolescência, Alice fazia testes para comerciais e conheceu Fernando Meirelles, que a colocou em "Cidade de Deus" (2002). Depois do filme, que concorreu a quatro Oscars, ela começou a receber convites. 

A atriz de 34 anos é sobrinha de Sônia Braga. No início deste ano, ela foi uma das 300 mulheres de Hollywood a assinar a carta Time’s Up (“O tempo acabou”, em tradução livre), publicada em 1º de janeiro no jornal "The New York Times", e que abalou a indústria do entretenimento com denúncias de casos de assédio.

Para ela, o mais interessante do manifesto é que ele não apoia só pessoas da indústria, mas mulheres de vários segmentos que continuam vivendo em uma sociedade opressiva e separatista. “Nunca sofri um assédio da forma como as atrizes que vieram à frente contar. Mas aturamos pequenos abusos e passamos batido por ser algo a que a gente já está quase acostumada. A repetição disso é agressiva."

Dezesseis anos após sua estreia no cinema, a atriz está mais seletiva em relação aos trabalhos e lamenta o drama de viver na ponte aérea. "Se estou no Brasil, fico com saudade das pessoas que estão em Los Angeles, e vice-versa. É superdifícil. Ganham-se coisas novas, mas perdem-se outras, como o nascimento do meu afilhado. Mas encaro de maneira tranquila, sou feliz em fazer o que amo, que é atuar."

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem