Celebridades

Glória Maria diz ter aprendido sobre escravidão e racismo com a família e não no Google

Glória Maria no casamento de Catharina, filha da socialite Narcisa Tamborindeguy
Glória Maria no casamento de Catharina, filha da socialite Narcisa Tamborindeguy - Reprodução/Instagram


A jornalista e apresentadora do "Globo Repórter" (Globo) Glória Maria se envolveu em uma polêmica com os internautas devido a uma mensagem postada em sua conta no Instagram. 

Na semana passada, Glória Maria deu um ​repost em uma mensagem do estilista brasileiro Tufi Duek. O estilista destacou a foto do ator Morgan Freeman com a seguinte frase: "O dia em que pararmos de nos preocupar com consciência negra, amarela, ou branca e nos preocuparmos com consciência humana, o racismo desaparece".

A jornalista compartilhou o post e apenas escreveu: "Simplesmente Assim! Amei!". Os mais de 1,2 milhão de seguidores de sua conta no Instagram iniciaram um debate sobre o racismo, a presença do negro e do feminicídio.

Nos comentários, alguns usuários defenderam a apresentadora: "Inspiração para nós mulheres! Seu nome já diz tudo, você é gloriosa!". "Glória!!! O mais importante é o que você sente, o que você passou na sua vida, os obstáculos vencidos e a paz que você carrega. Ponto final", disse outro seguidor.

Porém, alguns internautas se posicionaram contrários a mensagem postada por Gloria Maria. "Já usei sua história de vida pra dar exemplos aos meus alunos negros de que eles também podem ser o que quiserem ...Que eles podem ser bem sucedidos... fiz questão de falar da sua trajetória de vida, mostrar que vc sempre sofreu com o racismo e se manteve forte ! Sempre disse pra eles que representatividade importa, que pessoas como vc infelizmente ainda são excessão nesse mundo onde a juventude negra está morrendo, sendo violentada muitas vezes sendo morta sem o menor pudor...111 tiros primeiro e perguntar depois... Me sinto decepcionado em ver uma negra poderosa como vc minimizando a luta da sua própria raça por espaço, respeito e representatividade ! Tá na hora de arrumar outro exemplo ... Viola Davis quem sabe ! Felicidades Glória!", escreveu um seguidor. 

Já outro internauta criticou Glória Maria e elogiou a atuação da atriz Taís Araújo. "A Taís Araújo fazendo um trabalho tão bonito e difícil e vem d.Glória Maria com um post erradíssimo. A cada 23 minutos um negro é assassinado no país. Negros ganham metade da renda dos brancos. Vitimismo? Não. Genocídio. Um horror esse post. Um horror."

Em meio à polêmica, a jornalista publicou um comentário em sua postagem no qual afirma que não concordar é um direito e pretender que todos pensem igual é no mínimo prepotente. Glória Maria escreveu ainda que tem orgulho de ser negra e que combateu sozinha suas dores raciais. 

"Como lutar contra a desigualdade se não aceitamos as diferenças? Queridos vivam suas vidas e nos deixe viver a nossa! Temos que tentar sempre encontrar nosso próprio caminho! Sem criticar e condenar o dos outros! Cada um precisa combater o racismo da maneira que achar melhor! Lembrando sempre do direito e da opinião do outro!sou negra e me orgulho . Mas não sigo cartilhas . Minhas dores raciais conheci e combati sozinha! Sem rede social para exibir minhas frustrações! Tenho direito e dever de colocar o que penso num espaço que é meu! Não imponho e não aceito que me digam como devo viver ou pensar!" 


Leia abaixo a íntegra do comentário: 

"Pra todos que não concordam com este pensamento do Morgan Freeman: não concordar é um direito de vocês! Mas pretender que todos pensem igual é no mínimo prepotente! Eu concordo totalmente com ele! Pra começar, ele não é brasileiro e não está citando o dia da Consciência Negra. Uma conquista nossa! Está falando de algo muito maior. Humanidade! Eu e ele também nascemos negros e pobres e conquistamos nosso espaço com muita luta é trabalho! Não somos privilegiados. Somos pessoas que nunca aceitaram o lugar reservado pra nós num mundo branco! Algum de vocês conhece a minha história e a dele? Se contentam em tirar conclusões e emitir opiniões equivocadas em redes sociais! Nós estudamos, lutamos, resistimos e combatemos todo tipo de discriminação! O preconceito racial é marca nas nossas vidas! Mas não tenho que mudar minhas ideias por imposição de quem quer que seja! Apagar este post???? Nunca!!!! Quem não concorda com ele ok! Acho triste mas entendam. As cabeças e os sentimentos graças a Deus não são iguais! Como lutar contra a desigualdade se não aceitamos as diferenças? Queridos vivam suas vidas e nos deixe viver a nossa! Temos que tentar sempre encontrar nosso próprio caminho! Sem criticar e condenar o dos outros! Cada um precisa combater o racismo da maneira que achar melhor! Lembrando sempre do direito e da opinião do outro!sou negra e me orgulho . Mas não sigo cartilhas . Minhas dores raciais conheci e combati sozinha! Sem rede social para exibir minhas frustrações! Tenho direito e dever de colocar o que penso num espaço que é meu! Não imponho e não aceito que me digam como devo viver ou pensar!" 

"ESCRAVIDÃO SÓ MUDOU DE CARA"

Na véspera do Dia da Consciência Negra, a apresentadora Glória Maria voltou ao assunto e disse que as pessoas deveriam ler a coluna da jornalista Lu Lacerda, do portal IG, para ver o que ela pensava sobre racismo. Na entrevista, Gloria Maria afirmou que a escravidão apenas mudou de cara, mas ainda existe e que a voz do negro não tem importância. 

"A escravidão continua existindo, só mudou de cara. Não somos mais presos por correntes ou grilhões, sim, mas a nossa escravidão é tão cruel que somos vistos como inferiores, subalternos, sub-humanos e, pior ainda, sem poder de decisão. O poder branco é branco, uma voz negra não tem importância. Continuamos vivendo da maneira que a sociedade branca permite. Pra escapar, a gente precisa entrar numa guerra por liberdade; pra existir, precisamos mostrar que fazemos parte deste mundo, o que é um absurdo. Dos tempos de escravidão oficial até hoje, praticamente nada mudou."

Na tarde desta segunda (20), Glória Maria publicou uma foto de sua avó Alzira, mãe do seu pai, e afirmou que aprendeu com ela a lutar pela liberdade e que não aprendeu no Google sobre escravidão e racismo. "Minha consciência negra! Minha avó Alzira! Mãe do meu pai! Morreu com 104 anos. Não foi escrava porque a mãe dela, minha bisavó foi beneficiada pela lei do ventre livre! Aprendi com ela a lutar pela minha liberdade! Sobre Escravidão e Racismo aprendi com minha própria família! Não no Google ."


Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias