Bichos

Milhares de leões-marinhos são encontrados mortos na Namíbia após 'aborto em massa'

Mortes podem estar relacionadas à desnutrição e à poluição do mar

Leões-marinhos em rochedo no Arquipélago de Galápagos, no Equador - Ricardo Bonalume Neto - 19.nov.10/Folhapress
Joanesburgo

Cientistas descobriram cerca de 7.000 leões-marinhos mortos no centro da Namíbia, no sul da África, um acontecimento que estaria relacionado a um "aborto em massa", anunciaram autoridades neste sábado (24).

O ambientalista Naudé Dreyer, da associação Ocean Conservation Namibia, já alertava em setembro sobre a presença de leões-marinhos mortos nas praias de Pelican Point, próximo à cidade de Walvis Bay.

"Nas duas primeiras semanas de outubro, foi possível observar o que os veterinários descrevem como um aborto em massa. Havia muitos fetos lá", explicou o doutor Tess Gridley, do Namibian Dolphin Project, em entrevista por telefone à AFP.

Os leões-marinhos geralmente dão à luz entre meados de novembro e dezembro. Gridley observou que entre 5.000 e 7.000 fêmeas abortaram e "agora aguardamos a chegada dos [leões-marinhos] recém-nascidos".

Por enquanto, as causas dessas mortes e abortos são desconhecidas, mas os cientistas suspeitam que possam estar relacionadas à desnutrição, à poluição do mar ou a algum tipo de infecção bacteriana.

Algumas fêmeas encontradas mortas pareciam "magras, atrofiadas e com muito poucas reservas de gordura", disse o especialista.

Os cientistas estão coletando amostras para análise, mas temem que a temporada de reprodução dessa colônia de animais tenha sido completamente interrompida neste ano.

Annely Haiphene, diretora executiva do Ministério da Pesca e Marinha, explicou à AFP que eles suspeitam que a morte em massa desses leões-marinhos deve-se "à falta de alimento".

Em 1994, cerca de 10 mil focas morreram e houve cerca de 15 mil abortos espontâneos devido à fome por falta de peixes relacionada a uma infecção bacteriana em outra colônia de focas na Namíbia.

AFP
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem