Bichos

​Cientistas registram pela 1ª vez imagens de 'porco mais feio do mundo' na natureza



Selo BBC Brasil

Pesquisadores capturaram imagens de uma espécie de porco tida como bastante rara e uma das "mais feias do mundo" na região em que o animal vive, no Sudeste Asiático.

Pesquisadores capturaram imagens de uma espécie de porco tida como bastante rara e uma das "mais feias do mundo" na região em que o animal vive, no Sudeste Asiático.

Após a descoberta, os pesquisadores buscarão formas de tentar proteger o habitat desses animais.

Johanna Rode-Margono, do zoológico de Chester, na Inglaterra, é a líder da pesquisa. Segundo ela, toda a equipe foi surpreendida com a descoberta.

Um estudo feito em 2004 nas florestas da região indicara uma redução aguda na população dessa espécie de porco selvagem.

"Estávamos realmente preocupados achando que eles poderiam ter desaparecido", disse, Rode-Margono. "Para mim eles não são feios, são lindos", diz a pesquisadora.

Os suínos, da espécie Sus verrucosus, são peludos e têm verrugas na face. Podem até não ser os mais fotogênicos residentes da ilha de Java, mas Rode-Margono diz que eles têm um importante papel no equilíbrio ecológico da região.

Eles ajudam a espalhar sementes e a cultivar o solo ao fungar no chão. E em Java eles se transformaram em símbolo de resistência diante do avanço do desmatamento da floresta tropical para criar áreas urbanas e aumentar espaços para agricultura.

Os porcos selvagens na ilha estavam perdendo habitat, mas também estão sendo exterminados por destruírem plantações.

"A caça esportiva também é um problema", afirma JohannaRode-Margono. Segundo ela, muitas espécies estão cruzando com o javali selvagem europeu - resultando em uma espécie híbrida. Isso pode levar à extinção de certas espécies.

"As ameaças ainda existem e se a gente não fizer nada, mais e mais populações vão desaparecer", alerta Rode-Margono. "É um grande sinal vermelho".

Um centro de conservação em Java começou a criar essa espécie de porco em cativeiro. Pesquisadores acreditam que podem identificar áreas seguras o suficiente para introduzir esses animais na natureza.

"Ainda há esperança", afirma a pesquisadora. "Se pudermos administrar alguns projetos de conservação, talvez seja possível manter essas espécies".

"Tudo no ecossistema está conectado, cada árvore, planta, animal. Eles dependem um dos outros", observa Rode-Margono. Ela diz ainda que, se uma parte dessa cadeia sofre mudanças, reações em série imprevisíveis podem acontecer.

LUTANDO PELAS FLORESTAS

Na Indonésia, o desmatamento ameaça as florestas. Plantações de palma, principalmente, são apontadas como as principais responsáveis por abrir clarões nas florestas, ameaçando a biodiversidade local.

Ainda que seja difícil de mensurar o tamanho exato da ameaça, um estudo feito com imagens de satélites indicou que, entre 2000 e 2012, a Indonésia perdeu 6 milhões de hectares de sua floreta natural - cada hectare equivale, aproximadamente, a um campo de futebol.

Na Indonésia, além do desmatamento, o comércio ilegal de diferentes espécies, entre elas de macacos, também ameaça o equilíbrio ambiental.

Na luta pela preservação das floretas, uma instituição de caridade está contratando ex-caçadores para vigiar e proteger as áreas onde animais resgatados estão sendo inseridos de volta ao habitat natural.

Caçadores de pássaros também estão montando armadilhas na tentativa de capturar aves selvagens, para atender uma demanda do mercado por pássaros canoros mantidos em gaiolas.

Conservacionistas alertam para a ameaça de extinção dessas espécies, que antes eram bastante comuns na região.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem