Televisão

Felipe Andreoli brinca e sugere Ana Maria Braga como nova comentarista de futebol da Globo

Felipe Andreoli mandou o recado: "Caio Ribeiro que se cuide, hein?". O comentário do jornalista surgiu no "Encontro" (Globo) desta segunda (28), após Ana Maria Braga fazer uma avaliação sobre o momento do Palmeiras, vencedor do Campeonato Brasileiro. 

Palmeirense apaixonada e filha de italiano, a apresentadora soltou o grito de campeão que estava preso há 22 anos. "O Palestra Itália é muito de geração, meu pai nasceu na Itália, e eu me lembro, de pequena, o que é o Palestra Itália. Gosto muito de futebol, independente do Palmeiras jogar ou não."

Ela creditou o título à reestruturação pela qual o time passou nos últimos anos. "Tem uma história por trás disso, que é uma agremiação. Essa agremiação vem de dois ou três anos de um grande investimento. Há três anos, o Palmeiras estava com dívida até o teto. [A vitória] Se deve muito ao presidente que está aí hoje, o Paulo Nobre, que levou esse time adiante, investiu e acreditou. É um trabalho de alguns anos, de gente acreditando. Hoje o Palmeiras está com um timaço, gente que vai continuar jogando, porque é todo mundo jovem."

A colocação surpreendeu Andreoli, que cutucou o colega Caio Ribeiro, comentarista esportivo da emissora. 


Câncer

Ana também falou sobre o diagnóstico do câncer, que enfrentou por três vezes. Para ela, não havia possibilidade de esconder a doença do público.

"Sempre fui muito honesta [...]. Não tenho vergonha de dizer as coisas que acontecem comigo. Não tinha como chegar na câmera e estar com aquela angústia no meu coração e não dividir isso com as pessoas que fazem parte da minha vida", disse. 

A apresentadora esteve na atração para comentar o Dia Nacional de Combate ao Câncer, celebrado no domingo (27). "Parece que é vergonhoso sofrer. Não tinha como não dizer. As pessoas iam falar comigo, eu ia desabar. Não tinha outra opção a não ser falar. Isso fez um bem."

Quando recebeu o diagnóstico pela segunda vez, ela não estava mais preparada, conta. "Parece que quando você recebe a notícia é uma sentença de morte. Parece que é tudo igual, mas cada câncer é um câncer, cada tratamento é um tratamento. Não é que você já conhece e já acostumou. Não acostuma com a ideia. É terrível quando a pessoa recebe a notícia."

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem