Televisão

Repórter da Globo sofre ataques racistas e ameaças de morte pela internet

Um jornalista do programa "Profissão Repórter", da Globo, sofreu ataques racistas e ameaças de morte pela internet.

Os ataques começaram após as gravações para uma reportagem que foi ao ar nesta terça-feira (15), cujo tema era feminismo.

Nela, o repórter Guilherme Belarmino confronta Marcelo Mello, agressor denunciado pela blogueira feminista Lola Aronovich, que desde 2011 recebe ameaças de morte. Segundo o programa, ela já registrou sete boletins de ocorrência, mas as ameaças nunca pararam.

Mello foi preso em 2012 e condenado em 2013 por racismo, na Operação Intolerância da Policia Federal de Curitiba.

Ele mantinha uma página na internet na qual publicava textos contra nordestinos, negros, judeus, mulheres e homossexuais.

Atualmente, continua a postar mensagens de ódio em um fórum público, anônimo.

No programa, ele é filmado partindo para cima da equipe de reportagem e, desde o episódio, tem se manifestado em sua conta no Twitter, escrevendo sobre "desovar esses tipos" e dar "muita porrada" em Belarmino.

"Eu jamais daria uma banana para @guibelar, eu não sou racista, eu daria é muito porrada mesmo", ameaçou Mello via rede social.

"Lá na cadeia eu fiquei com uns ex-pms que lidavam direto com estes tipos como o @guibelar. É só desovar que não dá nada", escreveu.

Profissão reporter - https://www.facebook.com/profissaoreporter/videos/10153465303879398/?pnref=story
Jornalista Guilherme Belarmino entrevista a blogueira Lola Aronovich no "Profissão Repórter" (Globo) - Crédito: Reprodução/Facebook/profissaoreporter

"Já imaginava que podia acontecer por conta desse histórico. Já fui um pouco preparado, mas foi um choque, como sempre é", disse Belarmino ao "F5". "Já tinha sido intimidado como jornalista, mas até então nunca havia sido atacado diretamente por ser negro."

Após o programa ser exibido, mensagens postadas por Mello e outros participantes do fórum falavam sobre "estourar o crânio" do repórter e botá-lo na cova.

Também há comentários sobre Valéria Almeida, parte da equipe do "Profissão Repórter", mas que não participava deste episódio. "Agora é moda incluir uma crioula com esse cabelo de Ninho de Mafagafos em tudo quanto é lugar", diz um dos posts.

Ao final do programa, os dois jornalistas aparecem discutindo o caso com Caco Barcellos, que comanda a atração. Barcellos encerra dizendo que entrará com um processo contra os agressores.

Segundo Belarmino, as medidas a serem tomadas pela emissora ainda não foram confirmadas.

Os tuítes de Mello, acessíveis até a publicação desta nota, foram bloqueados pelo internauta.

Belarmino também foi à mesma rede social para dizer que levará o caso à Justiça, e também para agradecer pelas várias mensagens de apoio dos internautas.

O jornalista relembrou os episódios de racismo sofridos por colegas globais, como o caso da apresentadora Maju Coutinho, e das atrizes Taís Araújo e Cris Vianna, todas vítimas de ataques pelas redes sociais.





Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias