Publicidade

televisão

Roque faz "bodas de ouro" com Silvio Santos

27/05/2012 - 10h29

Publicidade

KEILA JIMENEZ
COLUNISTA DA FOLHA

Silvio Santos já se casou duas vezes. Mas quem está comemorando bodas de ouro a seu lado é Gonçalo Roque, 75. Neste ano, o eterno assistente de palco completa 50 anos servindo ao patrão.

A parceria começou nos anos 1960, na antiga Rádio Nacional, onde Roque era um faz-tudo e Silvio começava na carreira artística.

"Quando ele montou o SBT, chegou dizendo que ia me levar embora da Globo. Eu tinha muitos anos de casa, mas topei ir com ele", conta Roque, o primeiro funcionário da emissora paulista.

"O Silvio me deu um dos cargos mais importantes do SBT: disse para cuidar do que era mais precioso para ele, o público, que foi quem tinha deixado ele rico", lembra.

Foi assim que Roque virou diretor de auditório do SBT. Ele comanda um departamento que supervisiona 180 caravanistas espalhadas pelo país, mulheres que trazem o público para os estúdios.

Nas gravações do "Programa Silvio Santos", Roque organiza e controla as "colegas de auditório". Antes de o programa começar, explica as regras: "Nada de gritar 'lindo' que o Silvio não gosta".

Marcelo Justo/Folhapress
Roque em sua sala no SBT
Roque em sua sala no SBT

CLUBE DA LULUZINHA

Uma das normas é que só entra mulher. "Homem só atrapalha", brinca Roque. Nas horas vagas, ele faz bicos como agitador de multidões.

"Políticos e cantores já me contrataram para lotar os eventos deles de macacas de auditório de mentira", conta o assistente. "Elas gritam, se rasgam, desmaiam, agarram, fazem o que eu pedir."

Dos momentos mais divertidos ao lado do patrão, Roque se lembra do dia em que Silvio foi testar uma prova do programa e acabou caindo num tanque d'água. "Achei que todos iriam ser demitidos", conta. "O Silvio perdeu até a dentadura", diverte-se.

Ele conta que viu o homem do baú triste poucas vezes. Uma delas foi durante o sequestro da filha Patrícia, em 2001. Também diz que SS não acusou o baque quando da saída de Gugu e Hebe do SBT. "Silvio sente falta mesmo é do Lombardi [locutor que morreu em 2009]."

Sem pretensões de ser artista, Roque afirma que, como o patrão, não pensa em aposentadoria. "Nunca quis deixar o Silvio. Se quiser, vamos ficar velhinhos andando por aí. Ele fala, e eu bato palmas. É a minha vida. Há 50 anos, bato palmas para ele."

  • Últimas notícias 
  •  

gostou? leia também

  •  

Publicidade

resumo das novelas

Siga agora o F5 no Twitter

Livraria da Folha