Games

A plataforma de jogos com a qual adolescentes estão ganhando milhões de dólares

Selo BBC Brasil

O objetivo do engenheiro David Baszucki era criar um programa para despertar o interesse de crianças pela física.

Em vez disso, acabou desenvolvendo "Roblox", uma plataforma de jogos com a qual alguns adolescentes estão ganhando milhões e que superou, neste ano, o número de usuários do popular "Minecraft".

Se você tem mais de 20 anos, é muito provável que não tenha ouvido falar do Roblox. Embora esteja no mercado há 12 anos, a plataforma não ganha muitas manchetes nem é muito conhecida do público em geral.

Em 2015, contava com apenas 5 milhões de jogadores mensais. Ao final de julho deste ano, no entanto, estes já somavam 62 milhões —sendo 8 milhões deles só na América Latina.

JOGOS FEITOS POR CRIANÇAS

A primeira aventura empresarial de Baszucki foi o Knowledge Revolution, companhia de software pedagógico dedicado à física e a programas de simulação mecânica.

Ela chegou a ser líder em seu setor, segundo dados da startup CrunchBase.

A empresa se integrou ao MSC Software em 2000 e, cinco anos depois, Baszucki lançou o "Roblox". A ideia original era que crianças usariam a plataforma para criar objetos enquanto aprenderiam conceitos de física.

Mas os estudantes encontraram um uso mais interessante: começaram a desenhar seus próprios mundos.

Foi assim que a empresa decidiu abrir o programa para permitir o desenvolvimento de jogos. Com isso, mais de 29 milhões deles nasceram na plataforma.

EXPLOSÃO

Embora o "Roblox" exista há mais de uma década, apenas em 2016 a fabricante de consoles de videogame Xbox passou a ser uma de seus apoiadores —e foi aí que o número de usuários disparou.

Desde então, a empresa também introduziu novidades como ferramentas que facilitam jogar com apenas uma mão ou usando uma câmera em "modo retrato" (na vertical).

Isso, junto à possibilidade de compartilhar os resultados com amigos, fez crescer seu uso em celulares.

A peculiaridade do "Roblox" é que são os usuários que desenvolvem os jogos com a ajuda do Roblox Studio, uma ferramenta que facilita o processo.

Crianças de seis anos já se aventuraram a criar suas próprias histórias, afirmou a empresa à BBC Mundo. Hoje, quase 2 milhões de pessoas criaram ao menos um jogo dentro da plataforma.

PROGRAMAÇÃO FÁCIL

"Tornamos (a programação) muito fácil", garante um representante da companhia. "Nosso ambiente de criação permite aos desenvolvedores construir jogos em 3D para PC, Mac, iOS, Android, Xbox One e Oculus Rift ao mesmo tempo."

O resultado salta à vista na página inicial da plataforma: jogos rudimentares com gráficos quase geométricos dividem espaços com outros que têm diferentes graus de sofisticação.

Os mais novatos se limitam a funções básicas do Roblox Studio. Os mais habilidosos usam seus conhecimentos com a linguagem de programação para ter um acabamento mais profissional.

No ano passado, youtubers descobriram a plataforma e, via tutoriais, acabam aumentando a popularidade do "Roblox".

GANHAR MILHÕES

Os gráficos elegantes do jogo "Jailbreak", por exemplo, podem dar a sensação de que um programador profissional está por trás do jogo (que consiste em tentar a fuga de uma prisão).

Sua autoria, no entanto, é de dois adolescentes da Flórida, nos Estados Unidos, que já podem financiar seus estudos universitários com o dinheiro ganho com sua criação.

Neste ano, eles esperam faturamento na casa dos milhões de dólares.

"Miner's Heaven" é outro exemplo de jogo milionário. Ele foi lançado há dois anos por Andrew Bereza, um jovem de Nova Jersey, nos Estados Unidos, que acaba de atingir a maioridade.

Ambos os casos são exemplos da seriedade com que alguns adolescentes tratam "Roblox".

Os fundadores de "Jailbreak" chegaram a investir na contratação de profissionais que fizessem o design de imagem e o som para conseguir um resultado "mais bem-acabado", como revelou há um mês Alex Balfanz, um desses jovens, ao portal "Business Insider".

DE JOGADORES A DESENVOLVEDORES

A evolução natural entre os usuários do "Roblox" é começar a jogar quando crianças e, à medida em que crescem, tornarem-se desenvolvedores.

"O bonito do 'Roblox' é que você começa jogando, mas, quanto mais joga, mais terá vontade de começar a criar", explicou a empresa.

A média de idade dos jogadores está entre 9 e 12 anos e a dos desenvolvedores, entre 15 e 22.

Embora muitas criações sejam gratuitas, em algumas há elementos pagos. Os menores de 18 anos precisam do consentimento de seus pais para poder cobrar por seus jogos.

A empresa estima que, se o ritmo atual for mantido, neste ano irá distribuir mais de US$ 30 milhões (R$ 94 milhões) entre seus desenvolvedores.

DE QUEM É A PATENTE

Em princípio, a propriedade intelectual dos jogos criados no "Roblox" pertence aos desenvolvedores.

Mas a empresa esclareceu que se reserva ao direito de patenteá-los ou convertê-los em outro tipo de conteúdo, como filmes ou séries.

"Mas temos um acordo padronizado com os desenvolvedores para que ganhem uma comissão", disse à "BBC Mundo" o representante da empresa.

Por exemplo, bonecos dos personagens mais populares da plataforma se encontram à venda na internet. A isso se somam roupas e livros.

É SEGURO QUE MEU FILHO JOGUE 'ROBLOX'?

Alguns portais para pais e mães desaconselham permitir que crianças joguem na plataforma.

O "Family Zone", uma plataforma internacional de ciberssegurança para famílias, considera-o "perigoso", por não haver moderação nas conversas privadas que ocorrem dentro da plataforma.

A interação é um dos elementos mais importantes do "Roblox". As conversas são o espaço onde jogares e desenvolvedores tiram dúvidas e trocam conselhos.

O plano da empresa para os próximo anos inclui aumentar as possibilidades de bate-papo. Por isso muitos acreditam que "Roblox" acabará se transformando em uma rede social.

No entanto, o "Family Zone" acredita que ambientes como esse podem ser usados por "predadores" de crianças.

A empresa afirma que a segurança dos menores é uma "prioridade" e que os pais podem colocar filtros para o uso dos filhos e desabilitar a ferramenta de conversa.

A organização Common Sense Media, que advoca pelo conteúdo seguro na internet e nos meios de comunicação, dá uma pontuação quatro (de um total de cinco) quanto à segurança de "Roblox" e o recomenda para maiores de dez anos.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem