Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Você viu?

Ex-padre se descobre gay e vira ator pornô: 'Experiência libertadora'

Norm Self também ministra sessões com dicas para melhorar vida sexual

Norm Self - Reprodução/The Sun
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Norm Self, um senhor norte-americano de 88 anos, vem chocando e causando controvérsias ao contar sobre uma virada em sua vida. Ele decidiu se tornar um ator de filmes pornográficos gays, anos após ter sido casado com uma mulher e também ter sido padre da Igreja Católica.

Segundo o jornal The Sun, Self entrou no sacerdócio aos 18 anos. Alguns anos depois, ele entendeu que a vida religiosa não fazia sentido para si e decidiu a abandonar para se casar com uma mulher. A relação durou 28 anos.

Ele diz que tudo mudou em 1997, quando passou a se sentir atraído por um grupo de homens que circulavam em uma universidade em que ele trabalhava como ministro religioso. Na época, já com mais de 60 anos, ele descobriu ser homossexual.

Seu primeiro filme pornô veio no ano de 2017. Ele recorda, em entrevista ao documentário "OAPS On The Game: The Sex Business", reproduzido pelo veículo, que se sentiu realizado com a nova profissão. "É quase como fazer uma festa", disse.

"Nós vamos fazer sexo de qualquer maneira. Então, por que não fazer disso uma experiência libertadora e de união, em vez de escondê-la nas sombras?", questionou Self. Além da carreira de ator, ele também trabalha como reverendo e ministra sessões destinadas a quem quer melhorar a vida sexual.

Ele cobra entre US$ 75 e US$ 375 --cerca de R$ 359 a R$ 1.700-- e para ministrar as sessões ele se dedicou por três anos ao estudo do Tantra. Ele diz que gostaria que as visões negativas fossem substituídas por uma mensagem que diz que as pessoas têm o direito de desfrutar de "alegria erótica".

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem