Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

A designer de interiores da Monica Burt tem quatro árvores do Dia dos Namorados em sua casa este ano Monica Burt/The New York Times

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Debra Kamin
The New York Times

Sandra Di Carlo Valdez olhou para sua árvore de Natal, em janeiro, e sentiu uma onda de tristeza. O ano de 2022 tinha começado há apenas uma semana, e a pandemia estava chegando ao seu segundo aniversário: a árvore era certamente uma fonte de alegria, e ela não estava com vontade de desmontá-la.

Por isso, Valdez, 46, manicure e blogueira em Miami, com quase 30 mil seguidores no Instagram, decidiu tentar uma coisa que tinha visto na mídia social: manter a árvore montada mas redecorá-la, trocando os ornamentos por fitas de organza e o azevinho por corações.

Sua árvore de Natal, agora recoberta de enfeites cor-de-rosa e vermelhos, se tornou uma árvore de Valentine's Day, o Dia dos Namorados nos Estados Unidos e outros países, celebrado nesta segunda-feira (14).

Taylor Swift talvez deixe sua iluminação natalina montada até janeiro, mas na internet, imagens de pinheirinhos (reais e sintéticos) decorados com corações confeitados e fitas em tom pastel continuam a surgir em fevereiro, principalmente nos cantinhos do Instagram, TikTok e Pinterest dedicados ao artesanato.

Valdez redecora sua árvore usando produtos da Dollar Tree: corações de papel, para prender aos ramos; corações de madeira que ela mesma pintou; e provisões como alfinetes coloridos, e tecidos rosa e vermelho que ela transformou em ornamentos feitos em casa.

Da mesma forma, Jennifer Houghton, blogueira, designer e dona de casa em Dallas, usou produtos que encontrou em lojas de pechinchas para decorar suas árvores, entre os quais confeitos em forma de coração que ela transforma em ornamentos.

Ao decorar sua primeira árvore de Dia dos Namorados, cinco anos atrás, ela estava só postergando o inevitável. "Eu estava muito cansada depois do Natal e, olhando para a árvore, pensei que não estava com a menor vontade de desmontá-la", disse Houghton, 54.

Este ano, ela tem três árvores de Dia dos Namorados: uma envolta em rosas vermelhas e ostentando a palavra "amor"; uma que traz uma cascata de Xs e de Os cor-de-rosa [as letras X e O servem como uma abreviação americana para abraços e beijos]; e uma coberta de confeitos em forma de coração, e mais fitas, escadinhas e bengalas de açúcar cor-de-rosa nas laterais.

"Especialmente com a pandemia, as pessoas estão famintas de qualquer coisa que leve alegria às suas casas", disse Houghton. "Estamos passando muito mais tempo em casa, e por isso existe uma necessidade, um desejo, de tornar nossas casas o mais alegres que pudermos".

O varejo, ansioso por aproveitar ao máximo a festa dos namorados, aderiu com tudo à tendência. Há ornamentos para árvores de Dia dos Namorados à venda no Walmart e Target, e muita gente os oferece no Etsy.

Um representante da Overstock.com reportou que a árvore mais vendida da empresa na temporada de festas passada não era verde: era rosa.

Amber Dunford, psicóloga especialista em design e diretora de estilo da Overstock, disse que, em momentos de estresse, os seres humanos gravitam naturalmente na direção dos chamados objetos de transição. "Vivemos em uma situação tão incomum, agora, que queremos aquele objeto de conforto", ela disse. "As árvores são simbólicas –são o elemento em torno do qual nos reunimos".

Bobby Berk, astro de "Queer Eye" e designer de interiores, disse que viu algumas árvores de Dia dos Namorados na mídia social e compreendeu por que as pessoas podem querer tê-las em casa.

"As decorações de festas trazem muito calor ao lar, e muita alegria", ele disse em entrevista por telefone. "Consigo entender por que as pessoas, especialmente em um momento como o atual, presas em casas já pelo começo de um terceiro ano, desejam estender momentos como aqueles".

Ele apontou que alguns de seus amigos ainda demoravam a desmontar suas árvores de Natal. "E eu sempre dizia, menina, desmonte essa coisa!", ele afirmou. "Mas agora eu aconselho que as pessoas mantenham as árvores e mudem a decoração para fazer uma árvore de Dia dos Namorados".

Nos últimos três anos, Monica Burt, designer de interiores na região de Chicago, adotou esse critério em sua casa. "Amo o Natal", ela disse. "Monto 10 árvores por ano, e é sempre triste ter de desmontá-las".

Este ano, Burt, 39, tem quatro árvores de Dia dos Namorados: uma rosa-choque, na saleta da família, decorada em fúcsia e vermelho; uma branca, em um corredor do andar de cima, decorada com ornamentos cor-de-rosa; e duas pequenas árvores cor-de-rosa, uma para cada uma de suas filhas. Ela permitiu que as meninas decorassem as árvores em seus quartos como preferissem.

Sami Riccioli, que também trabalha com design de interiores, tem três árvores este ano, uma das quais no pé da grande escadaria de sua casa em Lower Gwynedd, Pensilvânia, montada com milhares de falsas rosas em um dégradé do vermelho ao branco.

Ela não planeja desmontar a árvore depois do 14 de fevereiro. Em lugar disso, disse, a ideia é reaproveitá-la para o Dia de São Patrício (17 de março), e depois para a Páscoa, Halloween e o ano todo até o Natal.

"Depois que montei minha primeira árvore de Dia dos Namorados pensei comigo mesma que aquilo não seria só para o Dia dos Namorados", disse Riccioli, 37. "Vou manter a árvore lá, e continuar a decorá-la".

Traduzido originalmente do inglês por Paulo Migliacci

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem