Você viu?

Pastor morre, deixa carta sobre ressurreição e viúva impede enterro por 3 dias

Corpo do homem acabou sepultado, mas com gritos de 'abre'

Corpo do pastor Huber Carlos Rodrigues é enterrado após três dias
Corpo do pastor Huber Carlos Rodrigues é enterrado após três dias - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Vítima de complicações cardiorrespiratórias, um pastor de nome Huber Carlos Rodrigues morreu na cidade em Goiatuba (GO), na última sexta-feira (22), por volta de 23h30.

O caso poderia passar despercebido pelo grande público não fossem alguns fatores que acabaram aguçando a curiosidade das pessoas e repercutido nacionalmente. Em 2008, o pastou havia escrito uma carta afirmando que após sua morte, ninguém poderia enterrar seu corpo, pois ele ressuscitaria depois de três dias.

Em um trecho da tal carta, Huber afirma: "Minha integridade física tem que ser totalmente preservada, pois ficarei por três dias morto, sendo que no 3ª dia, eu ressuscitarei. Meu corpo durante os três dias não terá mau cheiro e nem se decomporá, pois o próprio Deus terá preparado minha carne e meu cérebro para passar por essa experiência", diz.

Por conta disso, a viúva não autorizou que o corpo fosse enterrado e ele ficou em espera. O fato mobilizou toda a cidade. Muita gente se reuniu no final da noite da última segunda-feira (25) na frente do cemitério para ver se de fato o corpo seria ou não enterrado. E foi.

No começo da madrugada desta terça-feira (26), o caixão com o corpo do pastor foi sepultado. Porém, muita gente ainda queria ver se de fato ele estava morto. Um coro de "abre, abre" foi feito no momento do enterro.

Pelas redes sociais, uma moradora local registrou boa parte da movimentação das pessoas indo ao cemitério acompanhar o momento até a frustração por ver que a profecia não se concretizou.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem