Você viu?
Descrição de chapéu alimentação

'Expulso' de rodízio por comer demais deve virar garoto-propaganda

João Carlos Apolonio diz que está feliz com repercussão de vídeo

João Carlos Apolonio, que viralizou após comer 15 pratos em rodízio
João Carlos Apolonio, que viralizou após comer 15 pratos em rodízio - Instagram/@jc_apoloniopinturas
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O pintor de paredes João Carlos Apolonio, 29, está vivendo dias de estrelato. Na quinta-feira (15), um vídeo em que ele aparece contando que foi expulso de um rodízio de massas após comer 15 pratos viralizou.

Desde então, ele está dando entrevistas para televisões e jornais. Também tem recebido milhares de mensagens nas redes sociais, onde ganhou seguidores. Além disso, está negociando com a Ragazzo, a rede de restaurantes que o levou à fama instantânea.

"Eles querem contratar como garoto-propaganda", diz o morador do Capão Redondo (zona sul de São Paulo). "Ainda estamos negociando."

Apolonio explica que não foi de fato expulso do restaurante. Pelo contrário, diz que foi muito bem tratado (procurado pelo F5, o Ragazzo ainda não se manifestou). "Depois que eu comi os 15 pratos, o gerente veio e disse que estava muito feliz de ver um cara comendo tanto assim", conta. "Ele disse que geralmente as pessoas comem uns quatro, ou se pedem mais acabam deixando no prato."

Ele explica que esse não era o caso dele, que havia ido à unidade da rua Gentil de Moura, na região do Ipiranga, pela terceira vez, pois ficava próxima ao lugar onde ele estava fazendo um serviço. "Mais fácil vocês pagarem para eu sair", brincou na ocasião. Nas vezes anteriores, porém, ele não havia pedido o rodízio.

O pintor afirma que sempre come bastante. "Comecei a trabalhar muito cedo", explica. "Com 4 anos de idade, eu catava papelão, ferro-velho... Trabalhava muito para ajudar a família, que era muito pobre e humilde."

"Eu também era muito esportista, embora hoje em dia não seja mais", afirma. "Era o ponto de escape do sofrimento. São atividades que dão muita fome. Eu parei com o esporte, mas a fome não passou (risos)."

Aliás, para quem pensa que os 15 pratos de massa foram a única refeição do dia dele, se engana. "Naquele dia eu acordei umas 5h30, comi oito pães com ovo, peguei a moto e fui para o serviço", relata.

Apolonio diz estar feliz de o vídeo ter viralizado. "Estou curtindo demais a repercussão", conta. "Tem muita gente mandando mensagens de apoio, perguntando seu eu estou precisando de algo."

Pai de duas meninas (Isabela, de 4 anos, e Laura, de 11 meses), ele diz que está desempregado e passando por dificuldades durante a pandemia. "Antes desse bico, eu estava parado havia mais de 5 meses", lamenta.

O pintor diz que, com o dinheiro que recebeu pela obra, pagou a pensão atrasada de uma das meninas e deu algum dinheiro para a mãe da outra. Ele diz também que está com o aluguel atrasado há 4 meses. "Nunca atrasei antes da pandemia", garante.

Enquanto aguarda novos serviços, ele espera de alguma forma também que fazer chegar a mais gente a situação difícil pela qual muitas pessoas estão passando com a recessão econômica pela qual o país passa. "Sinceramente, tem dias que como muito porque passei vários antes sem dinheiro para comprar", lamenta. "Chega uma hora que dá vergonha ir na casa da mãe toda hora só para comer."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem