Você viu?
Descrição de chapéu Coronavírus

Ratos de NY praticam canibalismo devido à escassez de lixo causada pela pandemia

Autoridade norte-americana alerta mudanças no comportamento dos roedores

Máscaras e luvas são abandonadas nas ruas de Nova York
Máscaras e luvas são abandonadas nas ruas de Nova York - Mariana Lajolo
São Paulo

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA apontou que ratos de rua, especialmente os de Nova York, estão sofrendo consequências drásticas por causa da pandemia do coronavírus.

Devido ao número de restaurantes fechados e a baixa circulação de pessoas que transitam pelas ruas da cidade, a escassez de lixo tem feito com que os roedores desenvolvessem novos comportamentos e hábitos alimentares, sendo o principal deles o canibalismo.

Segundo a autoridade de saúde norte-americana, os roedores estão apresentando alterações classificadas como incomuns e agressivas. "O fechamento de toda a comunidade levou a uma diminuição de alimentos disponíveis para roedores, especialmente em áreas comerciais densas", afirmou o CDC ao jornal britânico The Guardian.

Além de NY, as cidades de Washington, Chicago e Nova Orleans também enfrentam o mesmo problema, este que segundo o CDC é considerado comum durante desastres naturais.

"Muitos desses ratos dependem de 'comida noturna', que são provinientes dos restaurantes, hotéis, bares e lojas. Tudo o que consumimos em movimento", disse o roentologista Bobby Corrigan ao The Washington Post.

O especialista também explicou à NBC News que o comportamento é comum tendo em vista a história da humanidade. "Esses ratos estão brigando, agora os adultos estão matando os filhotes no ninho e canibalizando os filhotes."

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças destaca como principais medidas preventivas o cuidado com lixos e detritos; vedar o acesso a residências e empresas; guardar lixo em lixeiras bem cobertas e remover alimentos de animais e pássaros de lugares acessíveis como os quintais, por exemplo.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem