Você viu?

Como aproveitar a chance rara de ver Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol

Mercúrio não costuma ser visível a partir da Terra
Mercúrio não costuma ser visível a partir da Terra - Getty Images
Descrição de chapéu BBC News Brasil

Costuma-se dizer que Mercúrio é o planeta mais fugidio, porque é difícil vê-lo no céu à noite. Mas, durante a próxima quinzena, ele fará uma breve aparição.

Mercúrio é o menor planeta do nosso Sistema Solar e o mais próximo do Sol. É difícil vê-lo porque ele orbita em um plano muito similar ao da Terra e ao Sol. Por isso, diferentemente de outros planetas, ele só aparece próximo ao horizonte.

Nos próximos dias, no entanto, Mercúrio transitará pela parte mais externa de sua órbita, o que fará com que permaneça um pouco mais de tempo no céu noturno antes de sumir. Será mais fácil vê-lo do hemisfério norte, mas ele também estará visível no hemisfério sul.

COMO VER MERCÚRIO

Os especialistas dizem que, nas próximas duas semanas, Mercúrio ficará visível à noite por até 40 minutos após o pôr do sol.

A boa notícia é que não será necessário um telescópio. Deverá ser possível vê-lo a olho nu, ainda que, no hemisfério sul, talvez seja necessário usar binóculos. Para encontrá-lo, a dica é olhar perto do horizonte na direção oeste.

Uma recomendação é primeiro localizar o planeta Vênus, o corpo celeste mais brilhante no céu depois do Sol e da Lua. Mercúrio estará um pouco abaixo e à direita de Vênus. É possível reconhecê-lo por sua cor laranja-amarelada.

A silhueta de Mercúrio diante do Sol
A silhueta de Mercúrio diante do Sol - Getty Images

Um detalhe auxiliará a busca: no horário em que os planetas estiverem visíveis, outros corpos celestes estarão escondidos. Mas Mercúrio só ficará à vista por pouco tempo.

Segundo o site EarthSky, ele permanecerá visível no norte por 40 minutos, na zona do Equador por 20 minutos, e entre cinco e dez minutos no sul.

Se perder a chance, a próxima oportunidade surgirá em setembro e outubro.

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem